O canal para quem respira cliente.

Além das crises

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

Já perdemos as contas de quantas vezes tivemos uma crise política que se refletisse diretamente em nossa economia e sociedade em geral. Neste início de junho, experimentamos mais uma, que fez a Bolsa despencar e o dólar subir. É preciso muita criatividade e força de expansão, para superar esses momentos e investir no desenvolvimento econômico, social e cultural do País.

Claro, que isso não significa que devemos fechar os olhos para as questões políticas. Nosso papel como cidadãos é cobrar atitudes íntegras de quem foi eleito por nós. Mas, com certeza, situações como essas não podem paralisar o crescimento; pelo contrário, devem servir como impulsionadores para que empresas e empresários utilizem todo arrojo para realizarem o trabalho que lhes cabe, independentemente de questões governamentais.

Situações como a queda dos juros, a diminuição de impostos, a estabilidade cambial favoreceriam, e muito, a vida das organizações, principalmente, as pequenas e médias, responsáveis por quase 70% do valor bruto da produção brasileira e cerca de 80% dos postos de trabalho. Um número significativo e que, com certeza, não deve ser desprezado.

Segundo dados sobre a produção industrial brasileira divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) em abril, a expectativa de crescimento econômico deste ano relativo ao mercado interno reduziu, apontando que o Brasil busca, cada vez mais, transações com mercados internacionais.

O mesmo pode ser visto pela Pesquisa Indicadores do Sebrae-SP – realizada em parceria com o Seade. O estudo mostra que, apesar dos bons resultados do setor em comparação ao ano anterior, já há demonstrações de desaquecimento da economia. O faturamento real foi 4,8% maior em relação ao mês de abril de 2004, recuo decorrente de fatores, como os contratos de exportação firmados nos últimos meses e o aumento do número de postos de trabalho, fazendo crescer a massa salarial.

Isso tudo mostra que o mercado externo tem sido uma das soluções para evitarmos a retração econômica. Mas por si só, ele não é o bastante para alavancar empresas, girar o capital interno, aquecer vendas e aumentar a produção. O investimento no mercado dentro das nossas fronteiras deve ser ampliado.As ferramentas de marketing e vendas devem estar a serviço de uma gestão capaz de vencer os desafios em bases realistas. Sabemos que muita coisa não podemos mudar, mas é possível concentrar energia, a fim de encontrarmos soluções positivas de desenvolvimento. Afinal, somos famosos pelo nosso empreendedorismo. O que é necessário é ter sempre um plano flexível, que se adapte às mutações constantes do mercado. Quem acreditar na própria capacidade conseguirá! E eu acredito no empresariado brasileiro.

José Zetune([email protected]) é presidente da Direção da ADVB (Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing de Marketing), da ADVP (Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing de Portugal), do IRES (Instituto ADVB de Responsabilidade Social) e da FBM (Fundação Brasileira de Marketing)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima