O caminho sem volta para o futuro

0
9



A portabilidade numérica está batendo a nossa porta. A partir de agosto, em algumas cidades, teremos a possibilidade de mantermos o mesmo número de celular e teremos a liberdade de escolha de qual operadora utilizar. A escolha da operadora passará a ser pelos serviços disponíveis e valores dos serviços e não pelo tipo de aparelho – ou melhor, oferta. Para o consumidor final é um grande aliado.

Do ponto de vista da operadora, ainda é difícil definir se a portabilidade é inimigo ou aliado. Acredito que, em um futuro próximo, a escolha da operadora se dará pelo tipo de serviço oferecido, por um conjunto de fatores positivos e não apenas pelos aparelhos, como hoje. Em um primeiro momento, o trânsito de clientes entre as operadoras será muito grande. Mais pela curiosidade.

Neste novo cenário, as operadoras e agências terão de reaprender como comunicar e como conseguir atrair novos clientes, além, claro, de fidelizar e reter os atuais, cada vez mais importantes, uma vez que as barreiras de saída serão menores.

Mas, e para as empresas que trabalham com mobile marketing como um dos canais a serem utilizados na comunicação com seus clientes e funcionários? O que muda? A portabilidade é, com certeza, um aliado. As empresas usuárias do mobile marketing – que colocam esta modalidade como um dos integrantes no seu mix de comunicação – têm grandes benefícios. O principal é, certamente, a relação das bases de dados, que estarão por muito mais tempo atualizadas. Afinal, com a portabilidade em funcionamento, os motivos para mudança de número de telefone serão cada vez menores.

Se a oferta de serviços e conteúdos da outra operadora agrada mais do que a oferta da sua operadora atual, é só migrar para a nova operadora e manter o número, sem precisar trocar cartões de visita ou enviar o novo número para todos da sua lista de contatos e relacionamento.

Com a base de dados mais atualizada, fica ainda mais fácil entrar no mundo do mobile marketing, pois a maior barreira encontrada é justamente a falta da informação necessária para utilizar este novo canal de relacionamento. Atualmente, buscar o número de celular do seu cliente é cada vez mais simples – é comum o cliente fornecer o número do celular ao preencher um cadastro hoje. E com a portabilidade a manutenção desta informação atualizada também será menor.

Tudo caminha para que o mobile marketing ganhe mais força e cada vez menos barreiras de entrada e de operação. As empresas preparadas para este novo canal de comunicação com base de dados e opt-in (permissão do cliente para utilização), com certeza saem na frente.

Esse caminho sem volta tem uma receita infalível: associa baixos custos e linha direta com o cliente. Mas precisa passar por itens indispensáveis, como uma base de dados preparada – ou começar a correr atrás para não perder o time do mercado.

Ronaldo Fernandes é diretor-presidente da Moviclips Mobile Marketing do Brasil e diretor de relacionamento da AMMB, Associação de Mobile Marketing. E-mail: [email protected]