Prepare-se para as mudanças

0
2

O comércio brasileiro é bastante moderno e competitivo, mas as mudanças rápidas e constantes na economia obrigam a uma atualização permanente desde o visual da loja, à linha de produtos, sistema de logística, técnicas de vendas e forma de se relacionar com o consumidor. São muitas as mudanças que exigem a atenção do varejista para se manter atualizado e competitivo.

Uma delas vem na forma de comercialização, com o comércio eletrônico sendo concorrente ou complementar ao varejo tradicional. No entanto, ele transformar em seu competidor uma empresa localizada em qualquer parte do Brasil ou do mundo. Também temos o lançamento de bens mais sofisticados e complexos que exigem a constante atualização dos vendedores e as mudanças nos meios de pagamento, obrigando o varejista a oferecer mais alternativas aos consumidores. Há as mudanças no perfil dos consumidores, com o ingresso de mais de 30 milhões de pessoas, antes marginalizadas, ao mercado, com hábitos e experiências de vida que, em grande parte, ainda não são devidamente conhecidos pelo varejo. Outra mudança importante está no “ambiente institucional”, com mais regulamentação e restrições à atividade comercial, e no “ambiente econômico”, com maior expansão do crédito, crescimento no mercado de trabalho e diferenças regionais de desempenho.

Essas e outras mudanças representam riscos e oportunidades. Para aproveitar as oportunidades, é preciso estar sempre bem informado e com a mente aberta para aceitar as mudanças e coragem de mudar quando necessário. O desafio atinge a todos os varejistas, independente de seu ramo ou porte. Mesmo os micro e pequenos varejistas precisam estar atentos ao que ocorre no mercado e, de acordo com suas possibilidades, procurar acompanhar as novas tendências e inovar para se manter competitivo.

Para poder acompanhar as mudanças e enfrentar os desafios os empresários precisam manter-se sempre bem informados sobre a economia, a legislação que pode impactar sua atividade, os fatos e atos que influenciam seu ramo de negócio, a evolução do mercado e as alterações nos hábitos dos consumidores. Sempre que possível, o empresário deve frequentar reuniões, palestras e seminários sobre temas relacionados à economia ou à sua atividade, participar de entidades de classe, conversar  com outros empresários, inclusive concorrentes. Procurar acompanhar o noticiário econômico e, quando necessário, recorrer a órgãos de apoio, como o Sebrae, ou a consultores.

Além de atento ás mudanças estruturais, é preciso acompanhar as variações da conjuntura, seja em decorrência de fatores internos ou, como no momento, externos. Após um período de forte crescimento das vendas a partir do segundo semestre de 2009, observa-se uma desaceleração no movimento do varejo, como reflexo de medidas adotadas pelo Banco Central para tentar conter a inflação. O agravamento da crise internacional, no entanto, levou o Copom a começar a reduzir os juros, para evitar que a desaceleração se aprofunde, mas, mesmo assim, é preciso ficar atento a possível reflexo da situação externa sobre a economia brasileira. É preciso cautela para minimizar os riscos, mas combinada com coragem para aproveitar oportunidades.

Marcel Domingos Solimeo é economista-chefe e superintendente institucional da Associação Comercial de São Paulo.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPerspectivas de ano novo
Próximo artigoA regra de ouro