Clique e visite a landing do Congresso ClienteSA 2022

O canal para quem respira cliente.

Rebeldes, com causas!

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Recentemente, em algumas cidades do Brasil, presenciamos grandes manifestações. E isso é lícito, afinal, nossa liberdade de expressão deve ser exercitada. Entretanto, merece crítica, o modo que alguns escolhem para “exercê-la”. Quebra-quebra e pequenos incêndios criam um efeito inverso àquele que motiva a legítima manifestação. Nós, cidadãos, que estamos a favor da motivação, revoltamo-nos contra ela ao nos depararmos com esses efeitos negativos, que só ferem a legitimidade “da causa” e a enfraquecem.
Porém, vandalismo e baderna também existem no mundo corporativo. Chamo a atenção justamente porque todo grande problema começou pequeno. Assim é em nossa vida financeira, afetiva e não poderia ser diferente na carreira profissional. Quando, numa empresa, há portas e paredes de banheiros repletas de insultos e pornografias, significa que temos, associadas aos colaboradores internos, índoles contaminadas.
Há muitas sugestões para a solução desse problema. Conscientizar os colaboradores pode ser uma boa! E até funciona em médio e longo prazos. Mas sou um pouco mais radical: demita! O vandalismo se aloja dentro do ser humano e não será na empresa que isso será curado – este nem é o papel da organização. A empresa deve sempre preservar a integridade da maioria, ou seja, pessoas decentes não precisam presenciar “bandalheiras” alheias (o mesmo vale para palavras de baixo calão, pronunciadas abertamente no ambiente de trabalho). Deve haver punições, advertências e até dispensas.
Aconselho os gestores a recorrerem aos recursos tecnológicos, além de inaugurarem um disk-denúncia anônimo. Também estimulo os empregados a contribuírem com esse processo. Uma empresa é feita por pessoas, portanto trabalhamos e habitamos sobre aquilo que construímos. Somos responsáveis pelos fatores físicos (higiene e segurança) e psicológicos (relacionamentos) de qualquer ambiente. E isso se instala culturalmente a partir das pessoas e da liderança. Algumas culturas são, automaticamente, doutrinadoras, ao abolir certos comportamentos.
Lembre-se: a humanidade começou com apenas um homem; uma cidade com apenas uma ideia. Uma causa se perde com apenas uma atitude. Você pode fazer toda a diferença!
Edison Andrades é palestrante e sócio da Reciclare Consultoria e Treinamento.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima