Netflix vem para o Brasil. Quem sai?

A pergunta é pertinente, porque foi o modelo de negócio da Netflix que provocou a queda da Blockbuster. A empresa americana já registrou sua filial brasileira e negocia com fabricantes de TV a oferta de conteúdo. As razões são fáceis de explicar: por um lado, o mercado brasileiro cresceu a um patamar que passou a interessar muitos mais empresas; por outro, a TV e a Internet se aproximam de tal forma que os modelos de negócios atuais, seja videolocadoras, seja TV por assinatura, precisam ser revistos. E logo.

Na brecha surgida, quem se intrometeu foram os fabricantes de TV. Os novos modelos têm aplicativos que, além de acessar os canais convencionais, permitem a oferta de catálogos de vídeos, notícias e outros conteúdos da web. Um acordo com um peso pesado como a Netflix faz todo sentido, portanto.

Mas tende a ser uma queda de braço, pois já existe uma empresa brasileira, Netmovies, que nasceu com o modelo de negócio da Netflix. Ela já tem aplicativos em aparelhos da Samsung e da LG. E está em negociações avançadas com outros fabricantes.

Fonte: Valor Econômico