App de táxi expulsa Uber da Colômbia

A Uber vai encerrar sua operação de corridas particulares na Colômbia. A companhia vai parar de receber pedidos de corridas no dia 1º de fevereiro, em decorrência da proibição do serviço após decisão da Superintendencia de Industria y Comercio (SIC), órgão similar ao brasileiro Cade. A empresa entende que a decisão do regulador foi arbitrária, uma vez que vai contra posicionamentos do judiciário colombiano que garantem sua continuidade. Em contraposição ao SIC, a Uber entrou com recurso junto ao Tribunal Superior de Bogotá para continuar atuando com o serviço de corridas. “A Uber respeita a lei e as decisões emitidas por suas autoridades. Contudo, decisões como esta respondem também pela ausência de uma regulamentação dos serviços de mobilidade colaborativa através de plataformas tecnológicas na Colômbia”, disse a empresa norte-americana em nota. Se concretizado, o fim da operação na Colômbia afetará 88 mil motoristas associados e 2 milhões de usuários ativos na plataforma naquele país. A medida não interfere no Uber Eats, ou seja, o serviço de delivery continuará funcionando. Fonte: Mobile Time

 LinkedIn cresce mais rápido do que o esperado

O LinkedIn crescerá mais rápido do que o esperado, de acordo com estimativas recentes. Segundo essas novas previsões, haverá 62,1 milhões de usuários adultos do LinkedIn nos EUA, com um crescimento de 4,2% em 2021 para 64,7 milhões. Até o final do período de previsão em 2023, haverá 68,8 milhões de usuários. Os usuários do LinkedIn representam cerca de um terço de todos os usuários de redes sociais nos EUA, e isso permanecerá aproximadamente o mesmo pelos próximos anos. As receitas na plataforma social de negócios continuam a crescer, sendo a maioria proveniente de anunciantes B2B. Este ano, o LinkedIn registrará US$ 1,59 bilhão em receitas publicitárias, crescendo outros 11,2%, para US$ 1,77 bilhão em 2021. Fonte: eMarketer

Como o Instagram usa a conta @shop para fortalecer marcas
O Instagram está utilizando sua conta @shop com mais de 200.000 seguidores para ajudar marcas menores e menos conhecidas a brilhar na plataforma, apresentando uma empresa diariamente, sua história de fundo, um produto popular e um link de compras, escreve Katie Richards. “O recebimento do selo de aprovação do Instagram na conta @shop dá às marcas a credibilidade que falta nos anúncios pagos padrão nas plataformas sociais”, diz Eva Poureshagh, da empresa de comércio eletrônico Scalefast.