Uber ativa código PIN para aumentar segurança e diminuir assédio sexual

A opção também permite verificar se o usuário está no veículo correto
A Uber lançou um novo recurso de segurança para motoristas e passageiros. A empresa de tecnologia de transportes desenvolveu um código PIN que confirma a corrida entre os usuários e o condutor do veículo. O novo recurso foi desenvolvido em novembro do ano passado e anunciado em um evento no Brasil. Os testes começaram em dezembro nos Estados Unidos e no Canadá. Agora a opção está de fato ativa nesses países e deve ser expandida para outras regiões, incluindo o Brasil, ainda este ano. A opção surge como uma tentativa da Uber de reduzir os casos de assédio sexual, falsos motoristas e verificar se o usuário está no veículo correto. Fonte: Consumidor Moderno


Autosserviço é tendência no varejo global
Forte tendência em muitos países pelo mundo, no Brasil, o autosserviço vem sendo implementado no varejo, visto inclusive como uma solução operacional. Como principal característica, o modelo possibilita a autonomia do consumidor, fazendo com que ele tenha liberdade na hora de realizar as compras. Para Patricia Cotti, diretora executiva do Instituto Brasileiro de Executivos de Varejo e Mercado de Consumo (IBEVAR), o serviço é uma tendência para consumidores mais independentes, que gostam de explorar a loja a sua maneira. “O modelo permite que o cliente realize seu próprio atendimento, fazendo com que ele se sinta mais independente e confortável na loja”, comenta Patricia. O autosserviço surge também como alternativa a necessidade de mão de obra. O modelo busca agilizar os processos dos lojistas e consumidores, melhorar a experiência de consumo, reduzir custos, aumentar a produtividade e, também, gerar uma vantagem competitiva. Inovações como o Amazon Go ganham espaço no mercado e, muitas vezes, a preferência do público. Contudo, as marcas precisam de cuidado para aderir a essa opção. Patrícia ressalta que mesmo com total autonomia na hora de realizar suas compras, o cliente ainda deve ser priorizado. “Cabe destacar que o autosserviço não é o abandono do consumidor no ponto de venda, mas sim o seu direcionamento a compra por meio de outras atitudes e serviços que não o humano, sem que ele se sinta perdido. Isto pode ser feito por meio de tecnologia, ambientação, layout de loja, comunicação no PDV, planogramas facilitados, dentre outros”, conclui a diretora do IBEVAR.  

Brasileiros têm buscado formação rápida para 2020
A Person, multinacional britânica, divulgou no último ano uma pesquisa que revelou a mudança de mentalidade. O estudo feito com mais 11 mil pessoas de 19 países apontou que a mentalidade do “faça você mesmo” está transformando a educação e, também, que a aprendizagem por meio de métodos digitais será o habitual na próxima década. Outro ponto é que quando perguntados sobre quais métodos preferem na hora de aprender, 82% dos brasileiros citaram cursos de curta duração ou ferramentas gratuitas online.