Como o coronavírus está afetando a indústria tech no mundo

As empresas estão dizendo aos investidores que as vendas estão caindo devido ao surto, as conferências estão sendo canceladas e os trabalhadores estão sendo instruídos a não viajar
A maior história do momento é a rápida disseminação do coronavírus, que pode causar uma doença potencialmente fatal e semelhante à gripe e se originou na China. O vírus — e as tentativas globais de contê-lo — abalaram o mundo dos negócios, enviando mercados financeiros para o território de correção em mais de 10%.
Na indústria de tecnologia, as empresas com exposição direta à China foram as primeiras a sentir os efeitos. A Apple, por exemplo, alertou os investidores de que o fornecimento de iPhones — o produto mais famoso da empresa, que responde pela maior parte de sua receita a cada trimestre — seria prejudicado pela disseminação do coronavírus. A Apple depende fortemente de fábricas em Shenzhen, China, e os consumidores chineses são um enorme segmento da base de clientes da empresa. Dias depois, a Microsoft tocou a campainha de alarme. A gigante da tecnologia depende dos clientes que instalam seu software Windows em laptops e tablets Surface, e esses dois produtos de hardware também estão sendo atingidos por fechamentos e desacelerações na China. A computação pessoal representa cerca de um terço da receita da Microsoft.
Embora as empresas de hardware pareçam ser as candidatas mais óbvias para enfrentar problemas, o impacto está começando a se espalhar para outras empresas de internet menos óbvias. A Expedia, agregadora de viagens, recusou-se a fornecer uma perspectiva financeira para o ano inteiro devido à interrupção das viagens pelo coronavírus. Empresas como Didi, a gigante chinesa de carros de passeio, começaram a fornecer aos motoristas barreiras de plástico entre os bancos dianteiros e traseiros, oferecendo outra camada de proteção contra o vírus. A Dun & Bradstreet, empresa de pesquisa de negócios, disse que cerca de 51.000 empresas tinham um ou mais fornecedores em regiões da China afetadas pelo vírus, quase certamente levando a um impacto mais amplo nos próximos meses.
Para tentar manter seus funcionários seguros, algumas empresas estão tomando medidas preventivas. Os organizadores cancelaram a MWC Barcelona, a feira anual global de telecomunicações na Espanha. Mas a gigantesca conferência de segurança da RSA continuou em São Francisco na semana passada, apesar de grandes empresas como IBM, AT&T e Verizon terem se retirado dela. O Facebook cancelou um de seus eventos de publicidade, com a participação de funcionários em grande parte, e sua conferência anual F8 – um dos eventos mais esperados da empresa. Os funcionários das operações mundiais da Amazon — a maior divisão da empresa, que administra a tecnologia e as operações de armazéns, entregas, associação Prime e lojas físicas, entre outras coisas — foram informados de que eles não deve viajar nacional ou internacionalmente “até novo aviso”, de acordo com e-mails visualizados pelo The New York Times. Os investidores parecem estar fazendo o mesmo: as ações da Zoom, empresa de software de teleconferência, dispararam na semana passada, à medida que mais trabalhadores de colarinho branco se comunicavam em casa. Fonte: The New York Times
Toyota planeja nova fábrica de veículos elétricos de US$ 1,2 bilhão em Tianjin
A joint venture entre a Toyota e a FAW planeja investir cerca de 8,5 bilhões de yuans (US $ 1,22 bilhão) na fábrica de carros planejada em Tianjin, de acordo com um documento emitido pelas autoridades da Eco-cidade de Tianjin, China-Cingapura. A planta terá capacidade de produção de 200.000 veículos novos de energia por ano, mostrou o documento. Na China, os novos veículos de energia incluem veículos híbridos, com bateria, plug-in e células de combustível. A Toyota se recusou a comentar o projeto, mas afirmou em comunicado que a empresa considera a China como um de seus mercados globais mais importantes e está constantemente considerando várias medidas a serem implementadas na China para atender às necessidades de crescimento dos negócios no país. Fonte: Reuters
Anuncie aqui — Uber instala outdoors digitais nos seus carros
O programa de anúncios da Uber oferece aos motoristas a chance de ganhar mais e dá à empresa um novo fluxo de receita, na tentativa de se tornar lucrativa.
O negócio principal da Uber sempre foi redes, com a empresa passando boa parte da década passada montando rdes de motoristas, passageiros, restaurantes, bicicletas, scooters e (um dia) carros voadores. Agora, está lançando uma iniciativa digital de um tipo diferente. Em abril, a partir de Atlanta, a Uber apresentará o que chama de “nova rede de publicidade onipresente que atravessa a confusão do engajamento nas ruas”. Em outras palavras, planeja divulgar anúncios em transeuntes com telas digitais no topo dos carros de seus motoristas. Com a mudança, apelidada de Uber OOH – abreviação de Out Of Home, ou seja, mídia exterior, a expressão para publicidade que inclui outdoors e afins -, a empresa está entrando em um mercado pioneiro juntamente com um punhado de startups. A maior delas, a Firefly, instalou telas digitais em milhares de carros em Chicago, Dallas, Los Angeles, Miami, Nova York e São Francisco. A Lyft também pode estar se mudando para o espaço: adquiriu recentemente a Halo Cars, uma startup sediada na Filadélfia que oferece telas de anúncios que cobrem carros. Fonte: Wired