Como os jovens se veem na liderança?

0
0
Você gosta do seu gerente ou coordenador? Aprova o estilo deles? Ou agiria diferente? Pensando no assunto, o Nube – Núcleo Brasileiro de Estágios realizou pesquisa com a seguinte pergunta: “Se você fosse um líder, como seria?”. Quase 20 mil jovens de todo o país responderam a questão. O resultado apontou para a importância de cobranças, mas sempre em equilíbrio com o bom humor.
Dentre as quatro opções de respostas, a maioria, 56,17%, 11.168 dos votantes, escolheu a alternativa “Cativante, mas cobrando na medida certa”. Segundo Eva Buscoff, coordenadora de treinamentos internos do Nube, as pessoas querem ser os gestores idealizados como perfeitos. “Todavia, é importante lembrar da existência do distanciamento entre aquilo buscado enquanto um ideal e quem o indivíduo é de fato. O desafio é alcançar esse sucesso, sem perder a própria identidade.” Ou seja, muitas vezes, por ter o poder nas mãos, os cidadãos criam um novo modelo de agir para mostrar credibilidade, transformando toda a verdade particular.
Já em segundo lugar, 31,83% (6.328 participantes) optaram por “Exigente, mas sendo sempre educado”. De acordo com a especialista do Nube, é importante exigir do colaborador, mas sempre lembrar da gentileza e coerência para não deixar de ser um líder admirado, mas um chefe odiado. Nesse caso, entra a concepção da diferença entre líder e chefe: o primeiro, sempre motivador, visa trabalhar com os objetivos e filosofia da empresa, focando em alcançar resultados como consequência; já o segundo, seguindo um modo autoritário, cobra resoluções e deixa de parabenizar quando é o momento, além de não participar do processo.
Em contrapartida, 1.472 pessoas (7,40%), elegeram a alternativa “Instigante, mas sempre oferecendo premiações”, como a forma de gestão ideal. “Bonificações não são ruins, porém não se pode esquecer de outros pontos importantes para quem ocupa o mercado atual.  A geração Y, por exemplo, valoriza qualidade de vida e investe, não apenas na carreira, mas em sua vida pessoal”, explica a especialista. Com 4,60%, 914 votantes, escolheram “Neutro, deixaria a equipe à vontade”. Contudo, espaço demais pode não ser uma boa ideia. “Quando existe obrigação de tarefas, a exigência é natural. Em casos de equipes formadas por estagiários e outros profissionais em início de carreira, é aconselhável pedir resultados com frequência, manter um acompanhamento próximo e realizar feedbacks das atividades desempenhadas”, comenta Eva.
Para a coordenadora, não existe um líder perfeito, mas sim um gestor ideal para cada perfil de equipe. “As pessoas e as diferentes áreas de atuação me fazem concluir o fato de não existir uma fórmula secreta. Quando envolve relacionamentos, sempre nos surpreendemos. Portanto, o mais importante é respeitar a si e aos outros”, finaliza.