ddCom investe em ação social

0
4

O diretor-presidente da ddCom Systems, Roberto Dechiare, e o diretor técnico administrativo, Luiz Arnaldo Pipino, assinaram termo de parceria para a execução do projeto social Uirandê (amanhecer, em português) nas instalações da Casa Hope, entidade sem fins lucrativos, que dá assistência social integral ao carente portador de câncer.
O projeto, de inclusão digital, visa oferecer gratuitamente cursos avançados de informática para a população mais carente da sociedade que hoje se encontra impossibilitada, por questões de ordem sócio-econômica, de ter acesso ao conhecimento, prática e aperfeiçoamento tão necessários para o mercado de trabalho atual. “Já formamos mais de 300 pessoas em dois anos de parceria com a prefeitura de Barueri e agora decidimos ir além, estendendo o alcance do projeto para uma nova unidade e a Casa Hope é um local com condições ideais para a implantação do projeto”, pondera Roberto.
Na opinião de Luiz Arnaldo, o projeto representa uma nova oportunidade no mercado de trabalho para os pacientes que deixam a Casa Hope, após o término do tratamento. “Aqui os pacientes e seus acompanhantes tem toda a assistência necessária durante o tratamento médico e com iniciativas como essa da ddCom Systems, elas podem sair daqui, além de saudáveis, com uma profissão, preparadas para enfrentar o mercado de trabalho.”
O projeto Uirandê é uma iniciativa inteiramente sustentada pela ddCom Systems em parceria com a Casa Hope que cede espaço em suas instalações no bairro da Vila Mariana em São Paulo para a implantação do projeto. A ddCom Systems disponibilizou recursos como computadores, softwares para automação de escritórios e profissionais – técnicos e instrutores.
Praticando esse ato a ddCom Systems acredita estar cumprindo com o seu dever perante a sociedade, a fim de tornar nossa nação mais digna e mais justa para com os seus integrantes. “Não podemos deixar que a situação atual de desequilíbrio social seja apenas responsabilidade do governo, e não podemos culpar os governantes atuais pelos erros que foram cometidos durante anos no passado”, conclui Roberto.