O canal para quem respira cliente.

Evento começa com sucesso, em Brasília

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin


Brasilienses recebem com entusiasmo evento de Relacionamento com Cliente, organizado pela revista ClienteSA e o portal Callcenter.inf.br. O evento, realizado ontem no Kubitschek Plaza Hotel, lotou e teve um público – formado por executivos de empresas públicas e privadas do distrito federal – entusiasmado com as apresentações estratégicas realizadas por Anna Zappa, diretora de marketing da PluSoft, e Rui Campos, diretor da Questex, promotora de importantes eventos no cenários nacional como a Telexpo e o ICCM, além de cases da gestão de cartões da Caixa Econômica Federal, apresentado por sua gestora Celina Moraes e do Correios, Marcus Vinicius Dellacqua Machado.

“Algumas empresas esquecem que a vida útil do cliente vai além da aquisição do produto ou serviço. Ele começa a ser rentável quando se torna fiel”, justificou Anna Zappa. Para ela, um dos cases tradicionais é o de tevê a cabo. “Os clientes podem desistir do segmento quando não estão satisfeitos com a qualidade do serviço adquirido. Pouca gente consegue hoje no País traçar um histórico do cliente, otimizar o relacionamento e potencializar seu negócio a partir de análises mais realistas.” Mas, além de questionar a gestão de cliente em vários segmentos empresariais, a executiva abordou algumas tendências como a convergência das mídias, com a introdução da mobilidade e a telefonia IP. “Em cinco anos quem não tiver mobilidade estará fora do mercado de callcenter”, aposta.

Na apresentação dos cases, Celina destacou a transformação das operações de atendimento a clientes da Caixa Econômica Federal em centrais por produtos. No caso específico da área de cartões, a executiva destacou a importância da Ouvidoria da instituição para otimizar os processos e melhorar a qualidade do serviço prestado pela central. “Quando existe a reclamação, independente de qual seja, os gestores têm que responder ao cliente e analisamos sua queixa, propondo melhorias, quando elas forem necessárias”, explica. Ela explica porém que o volume de reclamações pode ser considerada “insignificante” pelo volume de clientes da CEF: em agosto de 2005 foram 401 “ocorrências”, um número que chega perto de 0,05% da base de clientes.

O case dos Correios foi apresentado por Marcus Vinícius, ouvidor da empresa e diretor do capítulo brasiliense da Associação Brasileira de Ouvidores. Marcus abordou ética e relatou o case de corrupção que ganhou a mídia. “Ele serviu para olharmos para dentro da empresa e retomarmos conceitos básicos como ética e respeito”, justificou. Com uma diretoria formada por profissionais de carreira, a estratégia passou por um projeto de endomarketing para enfatizar os conceitos e reforçar a importância profissional. “Só depois partimos para o relacionamento com os clientes, que passaram a ´desconfiar´ dos homens de campo, que têm contato direto com nossos usuários. Precisamos, agora, incentivar esse contato e resgatar perante os clientes a credibilidade profissional que sempre tivemos através de atos simples, como conhecê-lo e cumprimentá-lo”, justifica. “Nosso cenário hoje é de competição com companhia internacionais.” Ele chegou a admitir a estratégia de excluir do quadro empresas franqueadas que não atendam a cultura da companhia. “As vezes nos deparamos com empresas que têm ´outras´ forças, mas lutamos até o fim para mantermos a qualidade que queremos impor na empresa”, salienta.

Rui Campos, da Questex, enfatizou a importância estratégica da área de gestão de cliente e as mudanças que devem ocorrer no decorrer dos próximos anos, no mundo, com reflexo no cenário nacional. “Precisamos observar que o Brasil espelha a realidade internacional com uma defasagem de dois anos. Mas em volume, o gap chega a sete anos”, avalia Campos. Ele argumenta que o mercado brasileiro chega a representar 2% do mundial, cotnra 10% dos EUA e 7% da Europa. “Ao analisar números globais, usando estes índices chegamos muito perto da realidade”, pondera. Mas, em suas pesquisas, avaliando dados de importantes institutos de pesquisa internacional, chegou à conclusão de que o Brasil é o maior mercado da América Latina, suplantando o México que aparece em segundo e a Argentina, em terceiro. Outros dois fatos importantes ressaltados pelo executivo são que a telefonia IP deverá ser maior que a telefonia tradicional já em 2008 e os clientes, hoje, trocam duas vezes mais de serviço que no passado. “O principal argumento da troca do prestador de serviço é pela mau qualidade”, enfatiza.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Evento começa com sucesso, em Brasília

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin


Brasilienses recebem com entusiasmo evento de Relacionamento com Cliente, organizado pela revista ClienteSA e o portal Callcenter.inf.br. O evento, realizado ontem no Kubitschek Plaza Hotel, lotou e teve um público – formado por executivos de empresas públicas e privadas do distrito federal – entusiasmado com as apresentações estratégicas realizadas por Anna Zappa, diretora de marketing da PluSoft, e Rui Campos, diretor da Questex, promotora de importantes eventos no cenários nacional como a Telexpo e o ICCM, além de cases da gestão de cartões da Caixa Econômica Federal, apresentado por sua gestora Celina Moraes e do Correios, Marcus Vinicius Dellacqua Machado.

“Algumas empresas esquecem que a vida útil do cliente vai além da aquisição do produto ou serviço. Ele começa a ser rentável quando se torna fiel”, justificou Anna Zappa. Para ela, um dos cases tradicionais é o de tevê a cabo. “Os clientes podem desistir do segmento quando não estão satisfeitos com a qualidade do serviço adquirido. Pouca gente consegue hoje no País traçar um histórico do cliente, otimizar o relacionamento e potencializar seu negócio a partir de análises mais realistas.” Mas, além de questionar a gestão de cliente em vários segmentos empresariais, a executiva abordou algumas tendências como a convergência das mídias, com a introdução da mobilidade e a telefonia IP. “Em cinco anos quem não tiver mobilidade estará fora do mercado de callcenter”, aposta.

Na apresentação dos cases, Celina destacou a transformação das operações de atendimento a clientes da Caixa Econômica Federal em centrais por produtos. No caso específico da área de cartões, a executiva destacou a importância da Ouvidoria da instituição para otimizar os processos e melhorar a qualidade do serviço prestado pela central. “Quando existe a reclamação, independente de qual seja, os gestores têm que responder ao cliente e analisamos sua queixa, propondo melhorias, quando elas forem necessárias”, explica. Ela explica porém que o volume de reclamações pode ser considerada “insignificante” pelo volume de clientes da CEF: em agosto de 2005 foram 401 “ocorrências”, um número que chega perto de 0,05% da base de clientes.

O case dos Correios foi apresentado por Marcus Vinícius, ouvidor da empresa e diretor do capítulo brasiliense da Associação Brasileira de Ouvidores. Marcus abordou ética e relatou o case de corrupção que ganhou a mídia. “Ele serviu para olharmos para dentro da empresa e retomarmos conceitos básicos como ética e respeito”, justificou. Com uma diretoria formada por profissionais de carreira, a estratégia passou por um projeto de endomarketing para enfatizar os conceitos e reforçar a importância profissional. “Só depois partimos para o relacionamento com os clientes, que passaram a ‘desconfiar’ dos homens de campo, que têm contato direto com nossos usuários. Precisamos, agora, incentivar esse contato e resgatar perante os clientes a credibilidade profissional que sempre tivemos através de atos simples, como conhecê-lo e cumprimentá-lo”, justifica. “Nosso cenário hoje é de competição com companhia internacionais.” Ele chegou a admitir a estratégia de excluir do quadro empresas franqueadas que não atendam a cultura da companhia. “As vezes nos deparamos com empresas que têm ‘outras’ forças, mas lutamos até o fim para mantermos a qualidade que queremos impor na empresa”, salienta.

Rui Campos, da Questex, enfatizou a importância estratégica da área de gestão de cliente e as mudanças que devem ocorrer no decorrer dos próximos anos, no mundo, com reflexo no cenário nacional. “Precisamos observar que o Brasil espelha a realidade internacional com uma defasagem de dois anos. Mas em volume, o gap chega a sete anos”, avalia Campos. Ele argumenta que o mercado brasileiro chega a representar 2% do mundial, cotnra 10% dos EUA e 7% da Europa. “Ao analisar números globais, usando estes índices chegamos muito perto da realidade”, pondera. Mas, em suas pesquisas, avaliando dados de importantes institutos de pesquisa internacional, chegou à conclusão de que o Brasil é o maior mercado da América Latina, suplantando o México que aparece em segundo e a Argentina, em terceiro. Outros dois fatos importantes ressaltados pelo executivo são que a telefonia IP deverá ser maior que a telefonia tradicional já em 2008 e os clientes, hoje, trocam duas vezes mais de serviço que no passado. “O principal argumento da troca do prestador de serviço é pela mau qualidade”, enfatiza.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Evento começa com sucesso, em Brasília

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin


Brasilienses recebem com entusiasmo evento de Relacionamento com Cliente, organizado pela revista ClienteSA e o portal Callcenter.inf.br. O evento, realizado ontem no Kubitschek Plaza Hotel, lotou e teve um público – formado por executivos de empresas públicas e privadas do distrito federal – entusiasmado com as apresentações estratégicas realizadas por Anna Zappa, diretora de marketing da PluSoft, e Rui Campos, diretor da Questex, promotora de importantes eventos no cenários nacional como a Telexpo e o ICCM, além de cases da gestão de cartões da Caixa Econômica Federal, apresentado por sua gestora Celina Moraes e do Correios, Marcus Vinicius Dellacqua Machado.

“Algumas empresas esquecem que a vida útil do cliente vai além da aquisição do produto ou serviço. Ele começa a ser rentável quando se torna fiel”, justificou Anna Zappa. Para ela, um dos cases tradicionais é o de tevê a cabo. “Os clientes podem desistir do segmento quando não estão satisfeitos com a qualidade do serviço adquirido. Pouca gente consegue hoje no País traçar um histórico do cliente, otimizar o relacionamento e potencializar seu negócio a partir de análises mais realistas.” Mas, além de questionar a gestão de cliente em vários segmentos empresariais, a executiva abordou algumas tendências como a convergência das mídias, com a introdução da mobilidade e a telefonia IP. “Em cinco anos quem não tiver mobilidade estará fora do mercado de callcenter”, aposta.

Na apresentação dos cases, Celina destacou a transformação das operações de atendimento a clientes da Caixa Econômica Federal em centrais por produtos. No caso específico da área de cartões, a executiva destacou a importância da Ouvidoria da instituição para otimizar os processos e melhorar a qualidade do serviço prestado pela central. “Quando existe a reclamação, independente de qual seja, os gestores têm que responder ao cliente e analisamos sua queixa, propondo melhorias, quando elas forem necessárias”, explica. Ela explica porém que o volume de reclamações pode ser considerada “insignificante” pelo volume de clientes da CEF: em agosto de 2005 foram 401 “ocorrências”, um número que chega perto de 0,05% da base de clientes.

O case dos Correios foi apresentado por Marcus Vinícius, ouvidor da empresa e diretor do capítulo brasiliense da Associação Brasileira de Ouvidores. Marcus abordou ética e relatou o case de corrupção que ganhou a mídia. “Ele serviu para olharmos para dentro da empresa e retomarmos conceitos básicos como ética e respeito”, justificou. Com uma diretoria formada por profissionais de carreira, a estratégia passou por um projeto de endomarketing para enfatizar os conceitos e reforçar a importância profissional. “Só depois partimos para o relacionamento com os clientes, que passaram a ´desconfiar´ dos homens de campo, que têm contato direto com nossos usuários. Precisamos, agora, incentivar esse contato e resgatar perante os clientes a credibilidade profissional que sempre tivemos através de atos simples, como conhecê-lo e cumprimentá-lo”, justifica. “Nosso cenário hoje é de competição com companhia internacionais.” Ele chegou a admitir a estratégia de excluir do quadro empresas franqueadas que não atendam a cultura da companhia. “As vezes nos deparamos com empresas que têm ´outras´ forças, mas lutamos até o fim para mantermos a qualidade que queremos impor na empresa”, salienta.

Rui Campos, da Questex, enfatizou a importância estratégica da área de gestão de cliente e as mudanças que devem ocorrer no decorrer dos próximos anos, no mundo, com reflexo no cenário nacional. “Precisamos observar que o Brasil espelha a realidade internacional com uma defasagem de dois anos. Mas em volume, o gap chega a sete anos”, avalia Campos. Ele argumenta que o mercado brasileiro chega a representar 2% do mundial, cotnra 10% dos EUA e 7% da Europa. “Ao analisar números globais, usando estes índices chegamos muito perto da realidade”, pondera. Mas, em suas pesquisas, avaliando dados de importantes institutos de pesquisa internacional, chegou à conclusão de que o Brasil é o maior mercado da América Latina, suplantando o México que aparece em segundo e a Argentina, em terceiro. Outros dois fatos importantes ressaltados pelo executivo são que a telefonia IP deverá ser maior que a telefonia tradicional já em 2008 e os clientes, hoje, trocam duas vezes mais de serviço que no passado. “O principal argumento da troca do prestador de serviço é pela mau qualidade”, enfatiza.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Evento começa com sucesso, em Brasília

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin


Brasilienses recebem com entusiasmo evento de Relacionamento com Cliente, organizado pela revista ClienteSA e o portal Callcenter.inf.br. O evento, realizado ontem no Kubitschek Plaza Hotel, lotou e teve um público – formado por executivos de empresas públicas e privadas do distrito federal – entusiasmado com as apresentações estratégicas realizadas por Anna Zappa, diretora de marketing da PluSoft, e Rui Campos, diretor da Questex, promotora de importantes eventos no cenários nacional como a Telexpo e o ICCM, além de cases da gestão de cartões da Caixa Econômica Federal, apresentado por sua gestora Celina Moraes e do Correios, Marcus Vinicius Dellacqua Machado.

“Algumas empresas esquecem que a vida útil do cliente vai além da aquisição do produto ou serviço. Ele começa a ser rentável quando se torna fiel”, justificou Anna Zappa. Para ela, um dos cases tradicionais é o de tevê a cabo. “Os clientes podem desistir do segmento quando não estão satisfeitos com a qualidade do serviço adquirido. Pouca gente consegue hoje no País traçar um histórico do cliente, otimizar o relacionamento e potencializar seu negócio a partir de análises mais realistas.” Mas, além de questionar a gestão de cliente em vários segmentos empresariais, a executiva abordou algumas tendências como a convergência das mídias, com a introdução da mobilidade e a telefonia IP. “Em cinco anos quem não tiver mobilidade estará fora do mercado de callcenter”, aposta.

Na apresentação dos cases, Celina destacou a transformação das operações de atendimento a clientes da Caixa Econômica Federal em centrais por produtos. No caso específico da área de cartões, a executiva destacou a importância da Ouvidoria da instituição para otimizar os processos e melhorar a qualidade do serviço prestado pela central. “Quando existe a reclamação, independente de qual seja, os gestores têm que responder ao cliente e analisamos sua queixa, propondo melhorias, quando elas forem necessárias”, explica. Ela explica porém que o volume de reclamações pode ser considerada “insignificante” pelo volume de clientes da CEF: em agosto de 2005 foram 401 “ocorrências”, um número que chega perto de 0,05% da base de clientes.

O case dos Correios foi apresentado por Marcus Vinícius, ouvidor da empresa e diretor do capítulo brasiliense da Associação Brasileira de Ouvidores. Marcus abordou ética e relatou o case de corrupção que ganhou a mídia. “Ele serviu para olharmos para dentro da empresa e retomarmos conceitos básicos como ética e respeito”, justificou. Com uma diretoria formada por profissionais de carreira, a estratégia passou por um projeto de endomarketing para enfatizar os conceitos e reforçar a importância profissional. “Só depois partimos para o relacionamento com os clientes, que passaram a ´desconfiar´ dos homens de campo, que têm contato direto com nossos usuários. Precisamos, agora, incentivar esse contato e resgatar perante os clientes a credibilidade profissional que sempre tivemos através de atos simples, como conhecê-lo e cumprimentá-lo”, justifica. “Nosso cenário hoje é de competição com companhia internacionais.” Ele chegou a admitir a estratégia de excluir do quadro empresas franqueadas que não atendam a cultura da companhia. “As vezes nos deparamos com empresas que têm ´outras´ forças, mas lutamos até o fim para mantermos a qualidade que queremos impor na empresa”, salienta.

Rui Campos, da Questex, enfatizou a importância estratégica da área de gestão de cliente e as mudanças que devem ocorrer no decorrer dos próximos anos, no mundo, com reflexo no cenário nacional. “Precisamos observar que o Brasil espelha a realidade internacional com uma defasagem de dois anos. Mas em volume, o gap chega a sete anos”, avalia Campos. Ele argumenta que o mercado brasileiro chega a representar 2% do mundial, cotnra 10% dos EUA e 7% da Europa. “Ao analisar números globais, usando estes índices chegamos muito perto da realidade”, pondera. Mas, em suas pesquisas, avaliando dados de importantes institutos de pesquisa internacional, chegou à conclusão de que o Brasil é o maior mercado da América Latina, suplantando o México que aparece em segundo e a Argentina, em terceiro. Outros dois fatos importantes ressaltados pelo executivo são que a telefonia IP deverá ser maior que a telefonia tradicional já em 2008 e os clientes, hoje, trocam duas vezes mais de serviço que no passado. “O principal argumento da troca do prestador de serviço é pela mau qualidade”, enfatiza.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima