Ginástica laboral para operadores de telemarketing

0
3

Para garantir a qualidade de vida no trabalho, a Softway Contact Center, desenvolve desde 1998 o programa Ginástica Laboral para os seus funcionários. Aplicado nas três unidades da empresa (São Paulo, Florianópolis e Jundiaí) o programa previne distúrbios como a famosa LER (Lesão por Esforço Repetitivo). Orientados por professores de educação física, os operadores realizam exercícios, em intervalos regulares durante o expediente. O professor de Educação Física, Norberto Rodrigues de Paula Junior, responsável técnico pelo projeto na Softway, recomenda os seguintes exercícios preventivos:
1. Em pé, alongue os braços acima da cabeça, para frente, para a direita e esquerda. Incline o tronco para frente, para trás e lateralmente.
2. Ainda em pé, com a ajuda da mão esquerda, puxe a perna esquerda para trás, para alongar a coxa. Repita o exercício com a outra perna.
3. Para alongar o músculo do braço, flexione o antebraço por trás da cabeça, empurrando o cotovelo.
4. Estenda o braço à frente, com a palma da mão virada para cima, deixando-a relaxada. Com a outra mão, puxe os dedos para baixo, na direção do quadril. Deixe as costas da mão voltadas para o seu corpo. Repita o exercício com a posição da mão ao contrário, para alongar a musculatura anterior da mão e antebraço.
5. Eleve os ombros, projete-os para frente e para trás, flexione o pescoço para frente e para trás e para os lados. Faça um grande e vagaroso movimento circular com a cabeça.
Segundo o professor, esses exercícios melhoram a flexibilidade e a mobilidade muscular, previnem a fadiga, auxiliam na correção da postura, aumentam a disposição, melhoram a produtividade e a interação na equipe.
Ainda é importante observar a postura do operador de telemarketing. A coluna deve estar ereta e os pés devem ficar apoiados no chão, formando um ângulo de 90º na altura do joelho. O sucesso da ginástica laboral da Softway é comprovada pelos números. Em 2003, apenas 0,8% dos operadores de telemarketing foi afastado por incidência da LER, uma marca difícil de se encontrar no Brasil.