Já olhou para dentro de casa?

0
1



No Brasil é muito mais comum do que se imagina as empresas buscarem profissionais no mercado mesmo tendo talentos dentro da organização que poderiam ocupar determinada vaga com sucesso. E por que isso acontece? Segundo Cezar Tegon, presidente da Elancers, empresa do segmento de atração e seleção on-line, isso acontece porque as empresas não têm muitas informações sobre seu público interno. Muitas não têm o currículo atualizado do empregado, apenas o recebido quando da contratação da pessoa.

 

“A falta de informação sobre o público interno leva a empresa a buscar profissionais prioritariamente fora. O problema dessa prática é que a empresa desestimula sua equipe ao trazer gente de fora para uma vaga que poderia ser preenchida por pessoas da própria organização, garantindo assim um processo de meritocracia que premiaria os melhores com promoções dentro da própria empresa”, assinala Tegon. Para o presidente da Elancers, a falta de informações sobre o público interno se deve à inexistência de sistemas que arquivem as informações curriculares dos colaboradores da empresa.

 

O caso da Brinks, empresa de transporte de valores, é diferente. A empresa adotou o modelo de recrutamento interno desenvolvido pela Elancers e preencheu 19 vagas em seis meses – todas com profissionais que já atuavam na organização. Segundo Denise Piantola, gerente de RH da Brinks, qualquer funcionário pode se candidatar a uma vaga, desde que tenha perfil para atuar na posição. Entre agosto de 2012 e janeiro de 2013, 176 profissionais da empresa se candidataram às vagas. “A abertura do processo de seleção para o público interno permite reconhecer os melhores profissionais, promovê-los e agir, assim, para mantê-los na empresa”, explica Denise.