Clique e visite a landing do Congresso ClienteSA 2022

O canal para quem respira cliente.

Muralhas na web

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin



Autor: José Teofilo Neto

 

Descobri que meu antigo site não era selecionado pelos sites de busca, devido ao formato utilizado e então, depois do quase enfarto, resolvi remodelá-lo. Seguindo as sábias sugestões do mestre Lavoisier – na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma – pesquisei inúmeros sites para aproveitar as boas idéias. Felizmente elas existem, mas são poucas.

 

Na pesquisa descobri algo aterrador: os sites são verdadeiras muralhas a esconder as empresas, quando deveriam ser um excelente canal de interatividade. Nos anos 60 os anúncios publicados em revistas eram muito bonitos e coloridos, porém não se divulgava nenhuma informação a mais que o nome da empresa. Chamam isto de anúncio institucional. Nas décadas seguintes, apareciam o endereço e o número do telefone do PABX. Em seguida, houve considerável reforço na divulgação dos 0800, incluindo aí os SAC e televendas.

 

Resumindo, as empresas estavam abertas aos seus públicos, fazendo o institucional, seu comercial e o pós- vendas. Passamos a viver a era do relacionamento. Isto também foi para todos os tipos de mídias, menos na web. Muitos dos sites nos remetem aos anos 60, utilizando uma mídia 2.0.

 

Que tristeza ver sites com coisas bonitinhas e sem um número de telefone para contato. Insisti com algumas empresas e recebi como resposta: não tem o número do telefone que é para o cliente não “encher o saco”. E nas seções “fale conosco”? Em grande parte há um formulário, muitos deles dignos da Receita ou Policia Federal, tamanho o número de informações exigidas para você visitar a empresa. Parece que a empresa está nos fazendo um favor em nos atender. Dizem que é para o cara desistir.

 

Mas isto não é tudo. Tenho comigo que a internet significa instantaneidade, interatividade, trocas e o que constatei: números telefônicos que não atendem, ou estão ocupados. Realmente vale a viagem até os anos 60/70, se bem que cabe a indignação: não aprendemos quase nada sobre respeito ao cliente.

 

Sinalizando, sugiro que ao escolher seu webdesigner, verifique se tem um verniz de cultura de marketing/vendas, pois não basta só escolher cores, imagens e tantos recursos audiovisuais e esconder sua empresa atrás de muralhas.

 

José Teofilo Neto é engenheiro e diretor da Comunicação Direta. ([email protected])

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima