Oportunidades para a liderança feminina

0
1



Autor: Eduardo Shinyashiki


No atual cenário social, cultural e empresarial mundial presenciamos uma ocupação cada vez maior e significativa da força e da liderança feminina, movimento de mudança irreversível, no qual homens e mulheres se encontram, a cada dia mais, caminhando juntos.


As mulheres passaram pela luta pela emancipação, defenderam a identidade feminina e continuaram no caminho de superação dos obstáculos culturais, típicos de uma sociedade machista, e ampliando os papeis femininos limitados e estereotipados.


A partir dos anos 1970 elas assumiram cada vez mais espaço no mercado de trabalho, nos anos 1990 fortaleceram esta presença e ocuparam cargos estratégicos de liderança, dividindo posições de comando com a liderança masculina. Mesmo assim, as mulheres ainda encontram muitos obstáculos na carreira.


Existem fatores socioculturais, ligados à organização do mundo coorporativo que, tradicionalmente e por muitos séculos, foi masculina, e onde o papel da mulher na sociedade era limitado a cuidar da casa e da família, sem ajuda dos homens nos compromissos familiares.


Os modelos de atuação a disposição nas corporações, exemplos de referência para se inspirar, eram modelos quase que exclusivamente masculinos. De repente, a mulher tinha este padrão para seguir, e assumiu, em algumas circunstâncias, os comportamentos e os excessos dos exemplos disponíveis.


Existem também fatores internos a pessoa, ligados a como ela mesma enfrenta e supera os fatores socioculturais do passado, a como se valoriza e cria confiança nas próprias potencialidades e competências, e como transforma crenças e condicionamentos pessoais.


Além disso, existe um dos maiores desafios que a mulher enfrenta, atualmente: o dilema de como equilibrar a carreira, a família e os relacionamentos, a vida pessoal. Desafio cotidiano, como o malabarista que, com habilidade, joga bolinhas no ar e as pega de volta. Como pegar de volta as “bolinhas” do escritório, casa, marido, filhos, pais, amigos, cuidado consigo mesma, cobrança de dar conta de tudo, sem deixar cair nenhuma? O que fazer para manter tudo em equilíbrio?


Cada vez mais a mulher reconhece a importância do seu papel profissional e de manter a própria identidade, aprofundar o autoconhecimento e a inteligência emocional e ter claros os objetivos da sua carreira e prioridades pessoais, construindo as competências e a consciência das próprias potencialidades e habilidades, e se perguntando: que modelo feminino de referência serei para as novas gerações?


O dado de realidade é que as empresas necessitam, cada vez mais, do talento e da liderança feminina cujas características, como por exemplo, flexibilidade, adaptabilidade, inovação, imaginação, que até pouco tempo atrás eram consideradas pouco adequadas à gestão de uma empresa, começam a ser consideradas importantes para promover mudanças nas organizações, e para guiar os colaboradores nos novos desafios que os tempos atuais exigem.


As oportunidades femininas no mercado de trabalho crescem na mesma proporção que os desafios, e é de extrema importância que os obstáculos e os novos paradigmas sociais e culturais sejam não somente algo a ser superado pelas mulheres, mas que seja um ensinamento e um momento de crescimento para homens, mulheres, famílias e empresas.

Eduardo Shinyashiki é palestrante, consultor organizacional, escritor e especialista em desenvolvimento das competências de liderança

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorBI em cobrança
Próximo artigoMultiplus fecha parceria com Extrafarma