Desafio do crescimento

0
2


Feita a provação de Luiz Flávio Borges D´Urso, presidente da Organização dos Advogados do Brasil, OAB-SP, Miguel Ignatios, presidente da ADVB-SP e Fenadvb, e moderador do painel nesta manhã, abriu o debate sobre o Brasil competente. O presidente da Flex Contact Center, Topázio Silveira Neto, foi o primeiro a opinar, lembrando a atual discussão no Tribunal Superior do Trabalho, TST, sobre a terceirização. “Se a terceirização é ou não um instrumento possível de fazer, agora nós temos que voltar dez passos para discutir no nível do TST se call center é atividade fim ou meio. E se fosse atividade fim, ela não poderia ser feita por nenhum dos senhores aqui”, opina.
Com o mesmo raciocínio, Acácio Queiroz, presidente da Chubb, comentou que recentemente o governo aprovou leis que dificultam o desenvolvimento dos negócios. “No final do ano passado alguém resolveu mudar a lei. Mais de 50 empresas vieram para o Brasil, investiram, e essas mudanças fizeram com que se sentissem impotentes”, afirma.
Em seguida, Giulio Salomone, presidente da Almaviva do Brasil e da Almawave do Brasil, conta que sendo uma empresa italiana, observa o crescimento do Brasil, assim como as incertezas legislativas.  “O Brasil precisa de três coisas para crescer: a educação, a educação e a educação. Esta nação é jovem e tem muito para melhorar e a educação é uma passagem obrigatória”, reforça.
“Sou empresário há 30 anos e vejo que o Brasil melhorou muito. Nós somos a 8ª economia do mundo, mas quem aqui se sente nesta posição?”, questiona José Roberto Romeu Roque, presidente da Aserc, Audac e o primeiro secretário do PNBE. Roque lembra uma citação que afirma que nem o passado do Brasil é certo, e ressalta a necessidade do país em assumir o desafio em ter líderes comprometidos pelo Brasil competente.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDesafio do crescimento
Próximo artigoSustentabilidade que gera lucro