O canal para quem respira cliente.

Otimismo coloca valorização das marcas em níveis recordes

Nathalie Burdet, CMO da Kantar

As marcas mais valiosas do mundo registraram um crescimento recorde de acordo com o ranking BrandZ Marcas Globais Mais Valiosas 2021 da Kantar, com o valor total atingindo US$ 7,1 trilhões – o equivalente aos Produtos Internos Brutos da França e da Alemanha combinados. A informação foi dada por Nathalie Burdet, CMO da Kantar, segundo a qual “o aumento de 42% – mais de quatro vezes o percentual médio de crescimento detectado pelo estudo anual ao longo dos últimos 15 anos – foi gerado pela confiança derivada da disponibilidade de vacina, pacotes de estímulo econômico e perspectivas de melhores Produtos Internos Brutos. As marcas norte-americanas são 56 das Top 100, com Amazon e Apple na liderança – cada uma vale agora mais de meio trilhão de dólares”.

As principais tendências destacadas no BrandZ Marcas Globais Mais Valiosas deste ano incluem as seguintes marcas:

– A Amazon manteve sua posição como a marca mundial mais valiosa, crescendo 64%, para US$ 684 bilhões (o equivalente ao PIB da Polônia). Tendo estreado no ranking BrandZ em 2006, o valor da Amazon cresceu quase US$ 268 bilhões neste ano e ela se tornou a primeira marca de meio trilhão, ao lado da Apple, avaliada em US$ 612 bilhões;

– A Tesla é a marca de mais rápido crescimento e se tornou a mais valiosa do setor automotivo, aumentando seu valor de um ano para o outro em 275%, para US$ 42,6 bilhões;

– Cinco marcas mais do que dobraram seus valores: Pinduoduo, Meituan, Moutai e TikTok, da China, e Tesla, dos EUA;

– O crescimento geral foi abastecido por 69 marcas, que aumentaram seus valores em pelo menos 5% desde 2020, juntamente com 13 novos participantes, incluindo Zoom, Nvidia e AMD, e Spotify;

– A tecnologia domina o topo do ranking BrandZ da Kantar, com sete das Top 10 marcas sendo do setor. A tecnologia também permitiu que marcas não tecnológicas conquistassem crescimento significativo, como, por exemplo, a Gucci – que aproveitou o poder do TikTok durante a pandemia, e a Domino’s – que aumentou os serviços online e de entregas em domicílio. As Top 10 marcas estão avaliadas atualmente em US$ 3,3 trilhões, em comparação com os US$ 800 milhões que valiam em 2011;

– As marcas dos EUA cresceram mais rápido em 2021, com seus valores aumentando em média 46% de um ano a outro, o que significa que os Estados Unidos agora representam 74% do valor total das Top 100 marcas, embora tenha apenas 24% do PIB global;

– A China consolidou sua liderança sobre a Europa. As marcas chinesas passaram de 11% no valor das Top 100 em 2011 para 14% hoje. Já as marcas europeias representam agora 8% do valor do ranking, versus 20% em 2011.

Nas explicações da executiva da Kantar, 2020/2021 marcou um período recorde para o crescimento de marcas. “Embora muitas tenham enfrentando um ano difícil, nossa pesquisa novamente provou que marcas fortes que entregam retornos acionários superiores são mais resilientes e se recuperam mais rapidamente. Com o e-commerce global crescendo de 12% para 15% de todas as vendas, 2020 foi um ano positivo para marcas envolvidas na cadeia de valor – de varejistas a couriers como FedEx e UPS. Entretanto, também vimos crescimento em indústrias para as quais muitos previram desafios logo no começo da pandemia. Marcas de vestuário, por exemplo, coletivamente cresceram até mais do que marcas de mídia e entretenimento no ranking, e marcas de luxo, apesar da redução de viagens e de lockdowns globalmente, reorientaram suas energias e tiveram crescimento como resultado.”

Através das indústrias, as marcas foram premiadas por atender às novas necessidades e comportamentos dos consumidores:

– Como os consumidores passaram mais tempo em casa durante o lockdown, as Top 10 marcas de mídia e entretenimento do BrandZ da Kantar registraram crescimento impressionante (+50%). As fornecedoras de tecnologias por trás de jogos e de chips Nvidia and AMD entraram no ranking pela primeira vez;

– O espaço da mídia e do entretenimento foi superado pela categoria de vestuário, com um crescimento do valor da ordem de 53%, conforme as pessoas redefiniram as fronteiras entre roupas de trabalho e lazer. Isso foi motivado pelo estilo athleisure, com Adidas, Nike, Puma e Lululemon todas garantindo crescimento de mais de 50% em valor. Enquanto isso, coletivamente, a fast fashion não cresceu tão rápido, embora notavelmente Uniqlo (+88%) e H&M (+47%) aumentaram suas valorações de forma significativa;

– Conforme mais partes do mundo passaram para as compras online durante a pandemia, os Top 20 varejistas cresceram seus valores de marca em 48% de forma combinada. Além do sucesso da Amazon, as marcas chinesas de e-commerce mostraram forte crescimento: Alibaba, 7ª colocada no ranking global, consolidou sua posição como a segunda mais valiosa marca de varejo, e Pinduoduo foi a de mais rápido crescimento do setor. Os gigantes do e-commerce não são os únicos vencedores do varejo: The Home Depot viu um crescimento de valor da ordem de 22% graças ao crescimento de 86%1 nas vendas online, enquanto Walmart aumentou seu valor em 30% e Lowe’s em 51%;

– O novo participante Zoom foi uma das grandes histórias de tecnologia de 2021, com sua facilidade de uso e confiabilidade gerando entusiasmo em usuários de negócios e pessoais. O app entrou na 52ª posição do ranking com um valor de US$ 36,9 bilhões

– Os modelos de assinatura tornaram-se um significativo motor de sucesso para muitas marcas. A Microsoft é um dos melhores exemplos disso (+26%), ao inovar ofertas para se adaptar a novos ambientes de trabalho e mudar para modelos de assinatura para melhorar a conveniência e escalabilidade. Xbox (+55%), Disney (+13%) e Netflix (+55%) viram crescimento, enquanto Spotify entrou no ranking após um crescimento de 454% no número de assinantes de 2015 a 2020, e uma melhora significativa no valor de marca para os consumidores. Além da tecnologia, os modelos baseados em assinaturas também estão aumentando o valor de uma vasta gama de marcas, incluindo Lululemon, Nike, Mercedes-Benz e Heineken;

– O setor de bebidas alcoólicas manteve seu crescimento durante toda a pandemia, abastecido por marcas chinesas. A mais valiosa do mundo é a Moutai (US$ $109,3 bilhões), que dobrou seu valor em um ano e agora é quatro vezes o tamanho da Budweiser (que tem a segunda maior valoração no setor, com US$ 25,5 bilhões). A Heineken foi a marca de cervejas de mais rápido crescimento, na ordem de 16% (4ª colocada no ranking das bebidas alcoólicas).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Rolar para cima