Pesquisa define uso do cartão de crédito na web

0
2

As compras realizadas com cartão de crédito pela internet deverão somar R$ 3,2 bilhões até o final deste ano, com expressivo crescimento de 75% sobre 2001. Essa expansão reforçará a presença do cartão como meio de pagamento mais utilizado nas compras online. A estimativa, para o final do ano, é de que 85% do total transacionado pela internet deverão ser pagos com cartões de crédito, volume que irá representar cerca de 5% do faturamento do setor de cartões de crédito no Brasil.

Os dados foram divulgados pelo diretor de planejamento estratégico da Credicard, Fernando Chacon, e compõem o estudo “Cartões de Crédito e a Internet”, parte da pesquisa Indicadores do Mercado Brasileiro de Cartões de Crédito, realizada mensalmente pela Credicard. As previsões para este ano reforçam a tendência de expansão do uso do cartão de crédito nas compras online: em 1999, elas somavam R$ 253 milhões, passando a R$ 1,827 bilhão em 2001, um aumento de cerca de 622%.

Ao analisar os tipos de produtos mais adquiridos, o estudo classifica como campeão os CDs: 68% dos internautas portadores de cartão de crédito declararam adquirir esse produto pela internet. Na seqüência vieram livros e revistas (43%); discos DVD e fitas de vídeo (28%); brinquedos (27%); e eletroeletrônicos (21%). O estudo indica também quais os sites hoje mais acessados pelos internautas portadores de cartão de crédito. As preferências recaem sobre sites de busca (55%); sites de notícias (50%); sites financeiros (23%); sites de lazer (17%); e sites de compras (11%).

Com relação ao perfil dos portadores de cartão de crédito que realizam compras online, os homens representam 56% da amostra. Já a pesquisa por faixa etária revela que 55% possuem entre 26 e 45 anos. O público mais jovem, na faixa até 25 anos, embora corresponda a 20% do total de portadores de cartão que são internautas, representa apenas 8% dos compradores online. Na faixa superior a 55 anos, esse resultado se inverte: apenas 6% são portadores internautas, mas 15% são compradores online.