Roque bot in Rio

0
24
Em sua 7° edição, o Rock In Rio utilizou pela primeira vez um chatbot no Facebook Messenger para atender aos usuários em tempo real. Foram mais de 2 milhões de mensagens trafegadas entre os dias 15 e 24 de setembro de 2017. O objetivo do “Roque”, nome dado ao chatbot, foi aproximar os participantes do evento ao simular uma conversa real, em uma linguagem mais natural e familiar para quem procurava detalhes do festival. O projeto foi realizado em uma parceria entre Take e Outra Coisa e desenvolvido na plataforma BLiP.
Além das informações e da possibilidade de explorar a nova Cidade do Rock, no Rio de Janeiro, os usuários participaram de games cumprindo missões, como ajudar o guitarrista Slash a encontrar sua guitarra perdida na viagem para o Rock In Rio. Ao completar a missão, o usuário ganhou uma imagem exclusiva para ser compartilhada em sua timeline no Facebook.
Com a ação de marketing por meio desta solução interativa, o Rock in Rio teve quase 10 mil jogos iniciados em alguma das missões, o que resultou em mais 670 compartilhamentos da imagem da conquista.
“Foi a primeira vez que o Rock In Rio utilizou esse tipo de tecnologia. O bot também permitiu que as pessoas que acompanharam o show em casa tivessem acesso as todas informações importantes sobre o festival. O Rock in Rio é um festival de experiências e o bot se tornou parte do show, trazendo bons resultados”, comenta Gabriel Queiroz, Product Owner da Take.
O Roque foi criado com o desafio específico de informar os usuários do Messenger sobre horários do shows, ingressos ou como chegar à Cidade do Rock, por exemplo. “Mas queríamos mais… Então pensamos: por que não fazer uma área específica dentro do bot para aqueles usuários engajados com a marca e interessados em descobrir um pouco mais? Assim surgiu a ideia das Missões, um game sobre as atrações do festival que, durante as interações, passeia por toda a história do Rock in Rio. A receptividade foi ótima! Tivemos um percentual de completude das missões de 40%, considerando que cada uma delas variava entre 8 e 15 passos”, conta Louise Zeni, redatora da Outra Coisa, empresa parceira no projeto do chatbot.
Conversões e efetividade por meio do chatbot
Foram mais de um milhão de mensagens enviadas e 600 mil recebidas por meio do chatbot, com uma média de cliques nos pushes do bot de11,83% e de cliques nos principais disparos do bot de 18,60%.
Além disso, durante todos os dias do festival, no Rock District os usuários também tiveram a oportunidade de visitar o ponto de check-in Itaú, que disponibilizava a confirmação no evento com um vídeo com imagens de satélite. Com a ação, foram enviados mais de 5.500 vídeos via bot.