Clique e visite a landing do Congresso ClienteSA 2022

O canal para quem respira cliente.

TI de mãos dadas com os negócios

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

Através de entrevistas com 139 empresas do ranking 500 Maiores da revista Exame, a IDC Brasil verificou que, após quase três anos de intensa contenção nos investimentos em tecnologia e com alguns sinais visíveis de retomada em 2004, a recuperação será consolidada agora, em 2005, período que abre diversas oportunidades aos fornecedores de TI.
No grupo dessas grandes companhias, a prioridade para a área de TI será a melhoria de processos, com 43% das empresas pesquisadas apontando ser essa a principal preocupação no momento. Entre os processos que devem ser melhorados os de logística e os de produção foram os mais destacados.
“O envolvimento da área de TI com a melhoria de processos evidência uma constatação aparente nos últimos anos: o crescente alinhamento de TI com as demais áreas de negócios. TI não é mais vista apenas do ponto de vista técnico-operacional, no qual as decisões ficam restritas aos CIOs e gerentes de TI, mas também – e, em muitos casos, principalmente – do ponto de vista de negócio e estratégia, o que envolve executivos de todas as outras áreas funcionais nas decisões relacionadas à tecnologia”, diz Ivair Rodrigues, gerente de pesquisas de TI e telecomunicações da consultoria.
O quadro apresentado mostra ainda que a percepção das 500 Maiores quanto às prioridades para a área de TI vem mudando do curto prazo – representado, sobretudo, por questões relacionadas à redução de custo, para o médio prazo – representado por melhorias em processos que necessitam de um tempo maior para serem avaliados e redesenhados e que, depois de implementados, possam amadurecer.
O cenário é otimista em relação às projeções de orçamento das 500 Maiores: cerca de 90% apontou que seus orçamentos de TI para 2005 serão maiores ou iguais aos de 2004, o que mostra uma clara confiança das empresas em relação à manutenção da estabilidade macroeconômica, com reflexos que se fazem evidentes na intenção de investimentos das empresas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

TI de mãos dadas com os negócios

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

Através de entrevistas com 139 empresas do ranking 500 Maiores da revista Exame, a IDC Brasil verificou que, após quase três anos de intensa contenção nos investimentos em tecnologia e com alguns sinais visíveis de retomada em 2004, a recuperação será consolidada agora, em 2005, período que abre diversas oportunidades aos fornecedores de TI.
No grupo dessas grandes companhias, a prioridade para a área de TI será a melhoria de processos, com 43% das empresas pesquisadas apontando ser essa a principal preocupação no momento. Entre os processos que devem ser melhorados os de logística e os de produção foram os mais destacados.
“O envolvimento da área de TI com a melhoria de processos evidência uma constatação aparente nos últimos anos: o crescente alinhamento de TI com as demais áreas de negócios. TI não é mais vista apenas do ponto de vista técnico-operacional, no qual as decisões ficam restritas aos CIOs e gerentes de TI, mas também – e, em muitos casos, principalmente – do ponto de vista de negócio e estratégia, o que envolve executivos de todas as outras áreas funcionais nas decisões relacionadas à tecnologia”, diz Ivair Rodrigues, gerente de pesquisas de TI e telecomunicações da consultoria.
O quadro apresentado mostra ainda que a percepção das 500 Maiores quanto às prioridades para a área de TI vem mudando do curto prazo – representado, sobretudo, por questões relacionadas à redução de custo, para o médio prazo – representado por melhorias em processos que necessitam de um tempo maior para serem avaliados e redesenhados e que, depois de implementados, possam amadurecer.
O cenário é otimista em relação às projeções de orçamento das 500 Maiores: cerca de 90% apontou que seus orçamentos de TI para 2005 serão maiores ou iguais aos de 2004, o que mostra uma clara confiança das empresas em relação à manutenção da estabilidade macroeconômica, com reflexos que se fazem evidentes na intenção de investimentos das empresas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima