O canal para quem respira cliente.

Pesquisar
Close this search box.

No mesmo barco!

A crise econômica está complicando a vida de todos. No mercado de crédito não tem sido diferente. Todas as modalidades sofreram com os efeitos do mau momento que o País vem atravessando, seja em menor demanda ou em restrição na hora de conceder. O crédito imobiliário também não escapou ileso. Depois do boom apresentado nos últimos anos, ele deverá registrar um fraco desempenho em 2016. O volume de crédito concedido deve ficar em patamares baixos. O economista da Boa Vista SCPC, Flavio Calife, acredita que a modalidade deve sofrer uma desaceleração significativa “podendo atingir cerca de 12%”.

O cenário deve acompanhar o momento de recessão na economia, seguindo o movimento registrado já no último ano. “O setor imobiliário sofreu uma redução muito grande de crédito, em 2014 o volume foi da ordem de R$ 110 bilhões e, em 2015 da ordem de R$ 75 bilhões”, afirma Roberto Vertamatti, diretor de economia da Anefac. O especialista ainda afirma que em 2016, o volume de crédito deve ser parecido com o do ano anterior. “Minha expectativa é que devemos repetir o volume do ano passado, algo como R$ 70 bilhões”, diz Vertamatti.

Entre os fatores que levam o crédito imobiliário a sofrer reduções, a situação política e econômica do país se destaca. “Quando a economia e a política estão bem, isso se reflete na geração de empregos na construção civil e na movimentação de toda a cadeia imobiliária”, afirma José Augusto Viana Neto, presidente do Creci-Sp. A economista chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, concorda que o principal fator para a redução do crédito imobiliário este ano seja a conjuntura econômica, pontuando também as altas taxas de juros como uma das razões para o setor enfraquecido. “Mesmo que o crédito imobiliário tenha uma das menores taxas de juros, quando comparado a outros tipos de crédito, ainda assim com o aumento da Selic e a manutenção, agora, dela em um patamar alto, qualquer tipo de crédito fica caro”, afirma Marcela.

Outro ponto que deve impactar é o fato do setor de construção civil concentrar seus esforços em construções que já estão em andamento ou prontas. “O volume de crédito deve diminuir substancialmente em relação a 2015, pois o mercado incorporador tende a se concentrar mais na entrega dos lançamentos anteriores”, afirma Saul Sabbá, presidente do Banco Máxima.

Dado esse cenário aparentemente negativo para o crédito imobiliário, o conselho para as instituições concedentes é ter mais cuidado. “A saída do mercado é tentar dar o crédito para o melhor tipo de cliente possível”, afirma Marcela, que diz que exigência de mais garantias e pedido de entradas maiores será a forma correta de trabalhar com crédito este ano. Mas, além do cuidado, é preciso manter a confiança. “É preciso ter cautela, ao mesmo tempo não podemos esmorecer. Confiança é fundamental, pois imóvel sempre foi um investimento seguro”, aconselha Viana Neto.

VISÃO POSITIVA

Mesmo com o momento de restrição de crédito, alguns são mais otimistas. Como é o caso do vice-presidente de habitação da Caixa, Nelson Antônio de Souza. “Acreditamos que, após termos, em 2015, um período de ajustes tanto por parte do setor financeiro quanto da indústria da construção civil, em 2016 se dê início a um movimento de reaquecimento gradativo do setor habitacional”, responde o executivo.

Como deverá ficar o mercado de crédito imobiliário este ano? Deixe a sua opinião na enquete do Portal Crédito e Cobrança.


Leia também as matérias exclusivas do especial:

Entre
boas expectativas e incertezas

Crédito
imobiliário deve permanecer estável em 2016, porém momento ainda pede cautela

Sem
grandes perspectivas

A
exemplo de outras modalidades, crédito imobiliário não deve apresentar grande
crescimento

De volta
à boa fase?

Após
ano difícil, mercado de crédito imobiliário pode voltar a respirar em 2016

Em busca
de equilíbrio

Com
possibilidade de nova queda, mercado de crédito imobiliário deve manter
premissas básicas

Sobrou
até para o crédito imobiliário

Anefac
acredita que crise econômica deve continuar afetando o setor em 2016

Ruim para
todos

Por
conta da crise, concedentes devem estar mais seletivas e consumidores receosos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

No mesmo barco

Ter os colaboradores ao lado, em busca de um objetivo comum. Esse deve ser o grande foco das ações de motivação. No entanto, para isso, é preciso conhecer seus funcionários. “Se não soubermos acompanhar, compreender as pessoas que trabalham conosco qualquer ação motivacional será em vão”, destaca Silvia Marinho, diretora de operações e marketing da In House.
No caso dos call centers, onde a maioria dos profissionais é jovem, essa necessidade se torna ainda mais evidente. Segundo a executiva, esse público tem muitos sonhos, anseios e pressa. “Vencemos, se soubermos compreender e nos comunicarmos na linguagem deles. Uma comunicação transparente, cheia de verdade faz grande diferença na motivação”, comenta Silvia. Além disso, é preciso agir sempre com a verdade, acolhendo-os no time e mostrando como se joga e ganha o campeonato. “Envolvendo-os na decisão e não fazendo deles meros expectadores.” O resultado é que remarão com muito mais vontade para atingir a marca de chegada, a missão da empresa, de acordo com a diretora.
Como exemplo, ela ressalta dois cases da In House, um que tem como objetivo a responsabilidade social e outro ambiental. No primeiro, a empresa realizou uma campanha de natal dividindo os colaboradores em equipes. A meta era arrecadar o máximo possível de brinquedos, mantimentos não perecíveis, itens de higiene pessoal. “Ao final, todos esses materiais foram doados para uma instituição de caridade, mas durante todo o período da gincana, foi interessante ver a dinâmica entre cada grupo que a cada ponto recebido por trazer um item vibrava ao passar pelo ´concorrente´”, conta Silvia.
Outra ação, essa mais recente, é de conscientização quanto ao uso da água. Há algum tempo, a In House está trabalhando a questão da sustentabilidade, onde retirou os copos descartáveis e colocou squeeze e caneca para todos os profissionais. Esse ano, a empresa resolveu trabalhar a questão do uso da água e interrompeu o uso da água por 1 hora em dois horários. “É muito bom, ver a equipe motivada com esse tipo de ação, isto que dizer que temos de fato pessoas que visam não apenas o próprio ganho, mas o da comunidade como um todo, e estão alinhados com os valores da empresa”, conclui a diretora.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima