Clique no banner e vote na fera que te representa!
Clique no banner e vote na fera que te representa!

O canal para quem respira cliente.

Questão das ligações indesejadas reúne IGeoc e Ministério das Comunicações

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

Na pauta da conversa constou a falta de informações disponibilizadas pelas operadoras

Visando discutir aspectos referentes às ligações indesejadas aos consumidores, o Instituto Geoc – Gestão de Excelência Operacional em Cobrança  -, por meio de intermediação da consultoria HLFMap, realizou reunião com a Secretaria de Telecomunicações do Ministério das Comunicações. A conversa tratou sobre o ponto de equilíbrio entre a diminuição de ligações ao consumidor que não possui relação com a dívida. Desde que, para isso, as empresas de telecobranças consigam obter conhecimento prévio se o número que estão ligando pertence ou não ao devedor que buscam contato.  

Segundo os representantes do Geoc, um dos grandes problemas das ligações indesejadas, são decorrentes da falta de informações disponibilizadas pelas operadoras, de forma que, as empresas de telecobrança consigam distinguir, por exemplo, os tipos de linha referentes aos números – pré ou pós-pago. Para o Geoc, a disponibilização dessa informação contribuiria com parte da demanda do setor que, despende tempo e recursos fazendo ligações para números pré-pagos, que tem alta rotatividade e pode ser repassado para outra pessoa num período de apenas 30 dias. Ou seja, no período de um ano, por exemplo, um mesmo número de telefone pode pertencer a 12 pessoas.

Dada a inacessibilidade das informações, as empresas de telecobrança realizam ligações para todos os números atrelados ao CPF do devedor, ocasionando desperdício e incômodo aos novos detentores das linhas, que não possuem relação com a dívida.   Mariane Schettert, primeira conselheira do Geoc, sugeriu que “seja debatido com a Anatel a possibilidade do compartilhamento da informação sobre o tipo de conta que cada número possui”.

Já o diretor de Investimento e Inovação da Secretaria de Telecomunicações, Pedro Araújo, afirmou que o assunto “deverá ser tratado com a ANATEL e também com as empresas de telefonia, mas que vê uma solução para o problema, a partir do compartilhamento de informações”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima