De igual com as gigantes

0
1
É fato: cada vez mais a tecnologia se faz presente no nosso dia a dia. As atividades do meio real estão migrando para o virtual. Inclusive, já não é mais necessário ir às compras, os produtos vão até o cliente. Nesse cenário, é imprescindível que as empresas também estejam presentes nesse novo mundo. É preciso estar disponível em todos os canais, a todo instante, se quiserem conquistar mercado, fidelizar e captar clientes. Apesar de parecer óbvio, ainda são poucas as pequenas e médias empresas que investem nos novos canais. Um dos principais entraves talvez seja a ideia de que as tendências tecnológicas estão restritas aos grandes negócios. Pelo contrário, como vem provando o mobile marketing. “Hoje, ele não é tendência, é realidade. Quem não estiver preparado, ficará para trás”, explica Guilherme Mornatti, gestor de projetos e-commerce da Goomark.
Mas, então, por que as PMEs ainda resistem em seguir no mobile marketing? Para o co-fundador da Pílula Criativa, Guilherme França, há três razões para esta resposta: desconhecimento, insegurança e valor do investimento. “O desconhecimento ocorre, muitas vezes, por conta das agências que trabalham nas campanhas para mobile, acabam não divulgando muito como o mercado está se comportando e quando faz é de uma maneira muito restrita. A insegurança vem pelo curto tempo desse mercado no nosso país. E esses dois pontos são a base para o terceiro: ´será que vale a pena investir no mobile marketing correndo todos esses riscos? O meu retorno sobre investimento valerá a pena?´”, afirma ele.
O que falta para as PMEs é perceberem as possibilidades que o mobile marketing pode proporcionar. Hoje, o celular está presente na vida de quase todas as pessoas e proporciona um território amplo a ser acessado. Mais do que isso, representa para as empresas um ambiente de igualdade. “As pequenas e médias empresas competem de igual para igual com as grandes. Nada impede que o consumidor busque seu endereço, ou passe na porta do seu estabelecimento, e na hora faça uma busca no celular”, afirma Fátima Bana, head e-commerce da Tam Viagens e mestre em comportamento digital do consumidor pela UCLA/USA.
CUSTO-BENEFÍCIO
Aplicativos, bluetooth, torpedo de voz, site responsivo, banners, jogos, mobile search, SMS marketing. São muitas as opções que as PMEs têm à disposição. Mas, principalmente, o SMS marketing é a opção de melhor custo-benefício para quem deseja iniciar nas campanhas em dispositivos móveis. Ainda mais em momento tão propício quanto este. “Nunca houve cenário tão propício para as pequenas e médias empresas explorarem mobile marketing por meio do SMS como agora”, explica Rafael Lunes, diretor de negócios da Zenvia. Como ele aponta, com essa ferramenta, é possível conversar com 100% da base de clientes. “É uma tecnologia muito democrática, pois é acessível desde aparelhos mais básicos até os mais sofisticados, com alta taxa de abertura/leitura.”
Os principais obstáculos, segundo o diretor, que as empresas podem vir a encontrar são o orçamento e as dificuldades de mensurar o retorno desse investimento. Mas, hoje em dia, as ferramentas disponíveis no mercado para a realização das campanhas já permitem que os preços sejam mais acessíveis. Já para medir o ganho obtido com as ações, basta que as PMEs contem com parcerias de agências que sejam capazes de analisar o alcance que as mensagens enviadas tiveram.
Só que de nada adiantará se as empresas não conhecerem os perfis dos clientes. “Para estreitar um relacionamento, nada melhor do que estabelecer um canal de comunicação efetivo com conteúdo promocional/publicitário relevante para aquele consumidor. Se fizer sentido para o consumidor, os resultados serão incríveis e a mídia muito bem aceita, otimizando o investimento feito”, conclui ele. Tanto que é no cliente que as empresas devem basear o planejamento das ações nos dispositivos móveis. Segundo Mornatti, o sucesso depende do mapeamento de como os clientes utilizam o dispositivo, para, assim, aproveitar o canal da melhor maneira. “É preciso planejamento, leitura de jogo e ação”, aponta.
CASE
No setor de boutiques, é comum que as lojas mandem mensagens aos clientes, informando sobre promoções, novos produtos e catálogos. Porém, no caso da Morena Rosa era difícil ter controle sobre o conteúdo divulgado, fazendo desse um dos motivos por terem procurado pelo serviço de SMS Marketing. “O mobile marketing traz a facilidade de contatar o consumidor final de uma forma mais efetiva e, em se tratando de empresa pequena, é um custo bem barato”, afirma Larissa Brandão Soares, trending marketing da marca.
Com a ferramenta, a empresa é capaz de ter um padrão nas mensagens enviadas e, principalmente, ter uma maior proximidade com os seus clientes finais. Apesar de ainda estarem em fase de adaptação, utilizando o serviço há quatro meses, Larissa afirma que esta é uma ferramenta de extrema importância para o desenvolvimento da marca. “Essa experiência de conversar com o cliente é muito grande. Já se tornou indispensável.”
Nesse cenário, há quem acredite que chega a ser uma obrigação que as pequenas e médias procurem por estratégias móbiles. Isso porque, quem não estiver pronta para as inovações e tecnologias, dificilmente sobreviverá. “O mobile marketing é um cenário obrigatório para as pequenas e médias empresas, independente da força de atuação no digital”, afirma França.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEstá na hora de um fato novo?
Próximo artigoA nova escolha do cliente