Dígitro integra TI e telecom

0
9



Visando alavancar as transformações, a Dígitro anuncia a nomeação de Anilton Valverde para a diretoria de negócios corporativos, área que vinha sendo ocupada por Luiz Augusto Pereira Martins, vice-presidente comercial e de marketing. Valverde, até então responsável pelas vendas em telecom, agora responde também pela equipe de vendas focada em serviços de TI. Martins explica que a empresa está entrando em uma nova fase, pois além de vender soluções de comunicação, se prepara para administrá-las. Segundo Martins, muitas das contratantes não conseguiam tocar os projetos com as novas soluções. “A partir de agora, passarei a qualificar e homologar novos representantes para esse nível de serviços. E o grande desafio de Valverde será integrar essas áreas”, conta. Ao todo são nove escritórios regionais da Dígitro no País, além do relacionamento com os 80 representantes comerciais da empresa em todo o Brasil, sob a responsabilidade do executivo. “Nossa estratégia está baseada em levar amplitude de soluções, sem se restringir a vendas específicas. Não temos um modelo único de vendas e esse é outro desafio de Valverde, se posicionar de forma mais holística possível e fazer com que o mercado tenha a percepção de que a Dígitro não é apenas uma fabricante de PABX ou URAs”, afirma.

O projeto de reestruturação da nova diretoria começou, há dois anos, com a Dígitronet, que faz parte das soluções de TI oferecidas e integra posições de atendimento remotas. “Conseguimos proporcionar um callcenter ao nosso cliente sem que ele precise investir na infraestrutura, basta ter uma rede de internet e computadores”, explica. Os operadores não precisam ir até o escritório, o que dispensa custos com vale-transporte ou vale-alimentação. Além disso, o supervisor também pode trabalhar de casa ou fora do País. “Essa prática não chegou completamente ao Brasil, mas é necessário quebrar paradigmas, estamos brigando para mostrar ao mercado serviços desconhecidos”, completa.

TENDÊNCIAS
“A palavra dos próximos três anos é portabilidade – estar em qualquer lugar e ser acessado. Hoje, as pessoas costumam ter cerca de três números, a tendência é que tudo isso acabe e cada uma possa ser acessada por um único número, uma espécie de identidade numérica”, afirma Martins, ao falar das soluções de interface da empresa. Segundo o executivo, um ramal IP, por exemplo, tem de promover interatividade entre o mundo móvel, IP e o fixo. “O sistema tem de ser inteligente para lhe buscar onde você estiver. E já temos isso implantado, é uma tecnologia quase 3D”, completa.

A interação também foi apontada como tendência por Martins. De acordo com ele, a premissa é levar o atendimento para um lado robótico-humano. “Hoje, 90% das máquinas que nos respondem são URAs burras, mas virá uma nova geração que interagirá com os humanos e terá a percepção do calor da conversa a ponto de transferir a ligação se o cliente estiver muito nervoso. Dessa forma, conseguirei atender mais gente e quem tiver um problema ou dúvida simples será muito bem atendido pela máquina”, diz. Martins adianta que, até o final do ano, a Dígitro lançará uma solução desse nível. A empresa está trabalhando em protótipos com essa característica, já desenvolveu a parte de voz sintetizada, enquanto que a sensibilidade de calor da conversa está em processo de desenvolvimento.

 

Damovo tem novo presidente
Alberto Ferreira assume o posto, enquanto Arnaldo Curvello passa a ocupar a posição de chairman do grupo

A Damovo do Brasil anuncia a nomeação de Alberto Ferreira como novo presidente. Antes de assumir o cargo, Ferreira era diretor-presidente da SAP Brasil. Com mais de 25 anos de carreira e experiência nos setores de TI, telecomunicações e serviços, o executivo assume a presidência com a missão de continuar a promover o crescimento da empresa e oferecer soluções que atendam às necessidades dos clientes brasileiros. “Temos uma forte carteira de clientes, que cada vez mais caminha para a unificação de suas plataformas de voz e dados. Se posicionar como um conselheiro confiável para o mercado de comunicação unificada, desenhando, implementando e mantendo as melhores soluções para cada cliente, será nosso norte”, afirma Ferreira.

Arnaldo Curvello, até então presidente da empresa, trabalhará junto a Ferreira até 30 de junho desse ano e, depois, deixará a operação direta para tornar-se chairman do grupo, assumindo a responsabilidade por assuntos estratégicos. “Durante mais de 30 anos, ele conduziu o que hoje é a Damovo e construiu o sólido negócio que temos nas mãos. Entretanto, o próprio Arnaldo se propôs a se dedicar aos projetos mais estratégicos a fim de permitir que acontecesse uma substituição executiva que trouxesse outra cultura empresarial, para se fundir com a já existente”, conclui.

 

Everis inicia operações em Uberlândia
Unidade focará no desenvolvimento de software e serviços

A Everis, consultoria multinacional de negócios, outsourcing e TI, está expandindo a atuação no Brasil, onde atingiu, em 2008, crescimento de 30%, totalizando R$ 52 milhões. A empresa inaugurou em Uberlândia um centro de desenvolvimento de software e serviços. Atualmente, a empresa possui esses centros em Madri, Barcelona, Sevilha, Buenos Aires, Santiago do Chile e São Paulo. “A escolha da localidade para abrirmos nossa segunda sede no Brasil foi estratégica, já que Uberlândia é uma das cidades mais importantes do Triângulo Mineiro e conta com excelentes Universidades em sua proximidade. Além disso, o município é de fácil acesso e não fica distante de grandes centros como São Paulo e Rio de Janeiro”, explica Nelson Wilson, sócio responsável de outsourcing da Everis Brasil.

 

Stefanini amplia operação no México
Fábrica de software atende crescente demanda do mercado local

A consultoria Stefanini IT Solutions inaugurou na Cidade do México a terceira fábrica de software no país e o primeiro grande centro de desenvolvimento fora do Brasil. A escolha da região levou em conta a crescente demanda de serviços do mercado local, especialmente do segmento de finanças. A nova unidade seguirá um modelo de fábrica parecido com o praticado em outros centros de desenvolvimento do Brasil, onde são atendidos clientes em diversas tecnologias e plataformas. Além de atuar localmente, a planta atenderá ainda, por meio de offshore, clientes dos Estados Unidos, Europa e América Latina. Graças à experiência na condução desse tipo de operação, Dejair de Resende, que havia sido o responsável pela fábrica de software em Belo Horizonte, estará à frente da unidade.