Clique e visite a landing do Congresso ClienteSA 2022

O canal para quem respira cliente.

Apple e Google seguem caminhos diferentes na personalização

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

O Google está oferecendo aos consumidores experiências de anúncios mais personalizadas com a ferramenta My Ad Center. Ela foi apresentado na quarta-feira, 11/5, no Google I/O e está prevista para ser lançada no final deste ano.

A ferramenta devera fornecer aos usuários do Google uma experiência de anúncio mais personalizada na Pesquisa do Google, no YouTube e em outras plataformas, ao permitir que os usuários visualizem o tipo de anúncio que desejam ver. Os usuários poderão dar detalhes sobre os anúncios de sua preferência no My Ad Center: tudo, desde basquete até saúde e indústria de energia. Eles podem até solicitar anúncios de marcas específicas.

Na verdade, o Google já oferece uma seção de configurações de anúncios para usuários, mas está longe de ser perfeita. A nova iniciativa parece se basear nesses esforços anteriores, bem como na recente expansão do controle do usuário sobre anúncios de categorias sensíveis, como namoro e jogos de azar.

Enquanto isso, na Apple, o objetivo parece ser mirar em consumidores que não querem ser personalizados. Por incrível que pareça, isso pode render melhores resultados, pois os anúncios de pesquisa da Apple estão crescendo em importância como fonte de receita para a empresa, mas dependem muito pouco da segmentação, e a personalização não gera melhores taxas de conversão, de acordo com uma apresentação para clientes de publicidade obtida pelo 9to5Mac.

Quando os usuários entram na App Store pela primeira vez usando o iOS 15, a Apple pergunta se eles querem anúncios personalizados que “ajudem você a descobrir aplicativos, produtos e serviços relevantes para você”. De acordo com dados da Apple, no entanto, smartphones com anúncios personalizados desativados representaram 78% das buscas na App Store do iOS – sugerindo que a maioria dos usuários disse que preferiria não ser rastreado, mesmo em troca de uma experiência mais personalizada.

Além disso, a taxa de conversão média para usuários que habilitam anúncios personalizados e aqueles que não habilitam está em um empate estatístico. Os anunciantes viram uma taxa de conversão de 62,1% para usuários que optaram por anúncios personalizados. A taxa de conversão é de 62,5% entre os consumidores que bloquearam anúncios personalizados.

Dadas essas taxas de conversão, a Apple está pressionando os desenvolvedores a segmentar usuários que têm experiências personalizadas desativadas, já que esse grupo é cerca de três vezes maior que o outro coorte.

Fato: os usuários têm uma relação de amor e ódio com anúncios personalizados. Um relatório da Merkle descobriu que, de 2020 a 2021, os consumidores ficaram mais confortáveis, não menos, compartilhando dados com as marcas em troca de uma experiência mais personalizada. 54% dos profissionais de marketing viram um maior engajamento com sua marca como resultado de mais personalização, por Acquia; outros 48% tiveram um aumento nas conversões.

Mas nem todos os pontos de dados são criados da mesma forma: enquanto a maioria dos consumidores está disposta a compartilhar informações como sexo e idade, os usuários da Internet preferem manter alguns outros dados, incluindo o comportamento de navegação.

Fonte: eMarketer.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima