A beleza da superação

0
1
Quando a situação financeira começou a afetar de forma mais profunda o bolso do brasileiro foi a hora que ele começou a conter seus gastos, preocupando-se com o futuro. Entre os itens tidos como supérfluos que ele passou a consumi menos foram os serviços do mercado de beleza. Consequência disso, este foi um dos anos mais difíceis desse mercado, que teve aprender maneiras para driblar com esse desafio. Um dos caminhos foi a busca por modernização e lá estava a Vaniday, que tem como missão não só modernizar o processo de agendamento de serviço, mas também ajudar os negócios. “Este ano foi de muitas conquistas, conseguimos estabelecer nossa marca perante o mercado, lançamos um sistema de gestão de salões inovador”, comenta o CEO, Cristiano Soares, que, em entrevista exclusiva à ClienteSA, contou mais sobre esse mercado e como a empresa cresceu 200% em 2016.
ClienteSA: Qual é a sua avaliação deste ano para o mercado de gestão de clientes?
Soares: Esse foi um ano desafiador: pela primeira vez, o mercado da beleza sofreu um impacto negativo com a crise. A queda da economia fez com que os clientes diminuíssem a frequência com que vão ao salão de beleza ou compram cosméticos. Os salões de beleza passaram a enfrentar dificuldades para gerir suas carteiras de clientes, alguns por não saberem a melhor forma de fazê-lo, já que nunca tinham passado por esse problema, outros por falta de ferramenta adequada que pudesse auxiliá-los. Esse cenário intensificou ainda mais a crise para diversos espaços de beleza.
Mas começou a surgir um sentimento de esperança. Como essa nova perspectiva mudou o mercado?
Durante o segundo semestre, houve uma melhora significativa na economia e também percebemos esse sentimento de esperança no mercado. Mas acredito que ainda é cedo para se sentir aliviado, 2017 será um ano de muito trabalho para retomar o crescimento. Porém, vejo essa nova fase com bons olhos. A crise fez com que os empresários do mercado da beleza e de outras indústrias tivessem que buscar soluções criativas, eles ficaram mais antenados às novas ferramentas de gestão, mais abertos às novas tecnologias e processos e muitos mais conscientes dos erros cometidos. Aprenderam com esses erros e descobriram o que deve ser feito daqui para frente, então saem da crise muito mais fortalecidos. Crises são tempos difíceis e não sou a favor delas, mas vejo oportunidades mesmo durante essas tempestades. E é assim que se muda um mercado, enxergando novas oportunidades e superando seus próprios limites.
Como foi este ano para sua empresa na área de gestão de clientes?
O ano de 2016 foi um marco, onde trabalhamos para nos consolidar perante o mercado. Um dos nossos objetivos é auxiliar espaços de beleza e bem-estar a conquistar clientes e gerenciar seus negócios de forma mais eficiente. Assim, a Vaniday vem se tornando uma ferramenta essencial para ajudar empreendedores a vencer a crise e otimizar seus resultados.  Temos outro objetivo ambicioso: modernizar toda uma cultura de agendamento e gestão de serviços e beleza. Nossos desafios foram enormes, desde a implementação efetiva do nosso produto até o processo de criação de uma marca forte que gerasse confiança no setor. Mas conseguimos! Atualmente, temos parceria com mais de 2.500 salões de beleza nas principais capitais do país, São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, e mais de 40 mil clientes ativos.
Quais foram os principais acontecimentos da empresa nesta área este ano?
Este ano foi de muitas conquistas, conseguimos estabelecer nossa marca perante o mercado, lançamos um sistema de gestão de salões inovador, iniciamos nossas atividades em Belo Horizonte, lançamos o primeiro Programa de Fidelidade para serviços de beleza e bem-estar, fomos a primeira empresa no Brasil a realizar um evento sobre a importância de ferramentas digitais para o mercado de beleza e ainda vamos finalizar o ano com mais de 200% de crescimento acumulado.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorQuem saiu ganhando em 2016?
Próximo artigoUm novo conceito de aluguel