Filhos paparicados, pais endividados

0
11


Pesquisa realizada pela LatinPanel, instituto de consumo domiciliar, revela que os lares com crianças até 12 anos foram os que mais se endividaram em 2005. Estes domicílios gastaram no ano passado 5% a mais do que arrecadaram, enquanto a média das famílias brasileiras ficou no patamar de 3% de endividamento. “Os pais fazem qualquer esforço financeiro para dar um bom padrão de vida aos filhos, muitas vezes melhor do que eles tiveram. É por esse motivo que eles acabam gastando mais do que ganham”, explica Fátima Merlin, gerente de atendimento da LatinPanel.

Este fenômeno tem explicação. Os lares com crianças até 5 anos apresentaram gastos acima da média da população com higiene pessoal (+10%), puxados principalmente pelas despesas com fraldas, xampus, sabonetes e colônias. Os gastos com alimentação (+4%) e vestuário (+2%) também estiveram acima da média nacional. Este estrato da família apresentou em 2005 uma renda média mensal de R$ 1244, enquanto o gasto médio mensal no mesmo período foi de R$ 1309. Deste gasto total, 36% foi destinado ao consumo dos não-duráveis.

Os lares com crianças pré-adolescentes (6 a 12 anos) também registraram déficit orçamentário em 2005. O nível de endividamento destes domicílios ficou em 4%, puxado principalmente pelas despesas com vestuário (+44%), higiene (+38%) e alimentação (+31%), gastos que estiveram bem acima da média nacional. A renda média mensal destes lares foi de R$ 1405 no ano passado, mas o gasto médio mensal foi de R$ 1469 no mesmo período. Pães, biscoitos, bolos, leites e sucos estiveram com freqüência na mesa dos domicílios com pré-adolescentes. Estes itens acabaram contribuindo com o resultado final das despesas com não-duráveis – elas representaram 34% do orçamento destas famílias em 2005.

“Muitas vezes os pais gostam de oferecer pequenos luxos aos filhos. O simples fato de poder comprar alguns supérfluos já é uma vitória importante para eles”, analisa Merlin. Mas paparicar a criançada com muitas guloseimas pode trazer sérios prejuízos à saúde delas. Hoje 35% dos pré-adolescentes estão acima do peso. “Hábitos de alimentação inadequados, como a substituição das refeições por lanches e guloseimas, contribuem para este quadro”, relata Fátima.

Os lares com adolescentes (13 a 17 anos) estão com nível de endividamento semelhante à média nacional – 3%. “Os domicílios com adolescentes tem um perfil diferenciado. Nessa fase, os jovens querem acompanhar todas as tendências e ter acesso a todos os tipos de tecnologia”, analisa o gerente. Não é à toa que as despesas com comunicação (+38%) estão bem acima da média nacional, assim como educação (+44%) e alimentação fora do lar (+31%). A renda média mensal destes lares foi de R$ 1633 no ano passado, mas o gasto médio mensal foi de R$ 1668 em 2005. Deste gasto total, 34% foi destinado ao consumo de não-duráveis. Um fato que chama atenção é a invasão de produtos eletrônicos nos lares com adolescentes. Itens como vídeo cassete (+15%), vídeo game (+16%), microcomputador (+14%) e impressora (+14%) têm presença superior à média nacional.