Galpões Last Mile: sabia que as compras on-line dependem deles?

Considerando-se fatores de conversão e fidelização do cliente, tornou-se essencial para qualquer varejista on-line possuir uma operação “última milha”

0
44
Rafael Fonseca, sócio e CFO da Bresco Logística
Rafael Fonseca, sócio e CFO da Bresco Logística

Autor: Rafael Fonseca 

A pandemia do Covid-19 provocou várias mudanças em nossas vidas: desde a forma como nos relacionamos até a maneira de trabalhar. O jeito de consumir também se transformou, e rapidamente nos acostumamos a fazer compras através de um clique e a receber os produtos na porta de casa.  

Em 2020, a penetração do e-commerce no varejo brasileiro aumentou de 6% para 11%, seguindo a tendência mundial – nos EUA passou de 15% para 21% e na China de 34% para 44%. Segundo a Webshopper, as vendas online cresceram 41% no Brasil (e 101% no Nordeste) nesse período. O número de consumidores online cresceu 29% para 79 milhões, e 83% desses consumidores pretendem continuar comprando dessa forma. E tudo indica que estamos apenas no início da transformação do varejo. Em 2021, a expectativa de crescimento do e-commerce no Brasil é de 78%. 

Considerando que o custo do frete e a velocidade de entrega são importantes fatores de conversão e fidelização do cliente, tornou-se essencial para qualquer varejista online possuir uma operação last mile – em português, última milha – que corresponde literalmente à última etapa da entrega do produto, para conquistar o consumidor cada vez mais exigente. De acordo com uma pesquisa realizada pela Digital Commerce 360/Bizrate Insights nos EUA, 68% dos consumidores condicionam a conclusão de uma compra online à disponibilidade de uma entrega rápida. E 36% dos consumidores online já exigem a entrega no mesmo dia para efetivar uma compra. 

Dessa forma, todos os produtos adquiridos pela internet, desde uma simples camiseta até mesmo uma geladeira, dependem de uma operação last mile para chegarem rapidamente ao cliente final.  No último ano, as maiores empresas de e-commerce do Brasil sentiram na pele essa demanda e aumentaram em 50% a área de armazenagem ocupada próximo aos grandes centros consumidores, mesmo com barreiras de entrada vivenciadas dentro da cidade de São Paulo, por exemplo. O Mercado Livre, uma das principais empresas desse mercado, espera que ainda esse ano consiga oferecer a entrega no mesmo dia para 20% dos CEPs brasileiros. Com empresas intensificando seus investimentos em galpões e condomínios logísticos, o last mile, de fato, é uma tendência que veio para ficar. 

Rafael Fonseca é sócio e CFO da Bresco Logística.