O novo perfil do internauta

0
2



Autor: Felipe Daguila


O livro A Terceira Onda, história futurista do escritor americano Alvin Toffler, também rendeu frutos na web 2.0. Há algum tempo, os chamados prosumers – do inglês producer and consumer – personagens resultantes da união dos papéis de produtor e consumidor, descritos pelo autor em 1980, ganham mais protagonismo. Na visão de quem dita o comportamento, atualmente eles são considerados fundamentais na definição de tendências e estratégias empresariais. Contudo ainda são muitos os que se perguntam qual é o verdadeiro significado das ferramentas de internet 2.0 no cenário empresarial.


Além da imagem midiática que se criou em torno das medias sociais, é inegável que elas nos oferecem acesso a um conteúdo de colaboração em massa, que podemos e devemos converter em vantagem competitiva renovada para o mundo corporativo. O que realmente faz a diferença da web 2.0 é o papel ativo dos usuários, pois são eles que compartilham informações, conversam, analisam, discutem, reclamam, inovam e investigam. Desde as prestações do último modelo de automóvel até as características do último produto financeiro de alta rentabilidade, passando pelos problemas com planos de saúde.  


Atualmente temos à nossa disposição uma variedade de redes sociais e aplicações com milhões de usuários nas quais a informação circula continuamente e se divide (links, fotos, comentários, vídeos e opiniões).  Como as empresas deveriam se adaptar a esse novo cenário? Como as empresas podem aproveitar esse novo contexto para melhorar seu negócio e sua eficiência operacional? Como podemos dar mais valor a toda essa informação?


A resposta está na observação do prosumer, inegavelmente um grande comunicador, um ditador de tendências de consumo que está credenciado pelas tecnologias atuais graças a sua ligação com comunidades virtuais e redes sociais construídas em torno dos produtos e serviços. O prosumer participa indireta e diretamente dos processos de criação e redesenho no comportamento, em outras palavras, é um influenciador.


Por sorte, muitos deles se encontram em ambientes empresariais e muito rapidamente lhes caberá a missão de impor um novo modelo de empresa, muito mais aberto, menos hierárquico e muito mais dinâmico. Os prosumers terão ainda presença fundamental nas estratégias e decisões corporativas no futuro e muitas organizações já começaram a integrá-los, pois eles estão à frente de seu tempo, modificando suas estruturas, criando espaços e ferramentas que permitam um passo para a inovação.


É importante observar que a caminhada já começou e, com foco nessa mudança, as empresas mundialmente conhecidas e outras cujo nome nunca ouviremos falar certamente serão impulsoras de um mercado com novos produtos e serviços que usaremos e consumiremos na próxima década. Para não perder esse trem, é necessário acompanhar passo a passo a evolução das organizações com os meios sociais, entendendo as novas regras do jogo, nos reinventando e nos adaptando ao novo cenário. Em definitivo, vivendo e participando diretamente, bebendo da fonte das novas gerações.


Felipe Daguila é responsável pela área de tecnologia da Everis Brasil.