Reinvenção das campanhas

0
1
Autor: Rafael Assunção
A tecnologia na criação e gestão de campanhas de incentivo trouxe novo fôlego para o mercado de relacionamento e fidelização. O perfil do consumidor mudou e agora, sempre conectado, ele decide pela compra antes mesmo de chegar às lojas e quer se relacionar de verdade com as empresas. Fatos que exigem às organizações a necessidade de ter uma visão ampla e analítica do cenário, para que possam avaliar quais estratégias estão surtindo efeito e também medir os níveis de engajamento com a marca e impulsionar suas vendas. 
Recentemente, estive no Incentive Meeting, organizado pela Associação de Marketing Promocional (Ampro), no qual o tema central foi, claro, o participante desses programas e onde percebi que mercado já despertou para as novas necessidades, mas ainda dá passos lentos. 
Há muitas razões para o marketing B2B ter buscado o engajamento de equipes ou parceiros por meio da fórmula “venda e pontue”. Afinal, ainda não experimentávamos a convergência digital, com a possibilidade de incluir, por exemplo, Big Data para criar estratégias certeiras para um relacionamento contínuo. Arrisco dizer que o que se tem feito até então não é uma gestão de relacionamento, mas um calendário de campanhas soltas e com resultados efêmeros. 
Ao compreender que o perfil dos participantes de campanhas de incentivo já não é o mesmo, devemos pensar em inteligência de dados, em análises em tempo real das campanhas de relacionamento, em premiações alternativas aos já usuais bônus e mais: em possuir um suporte tecnológico que consiga acompanhar e tornar visíveis essas mudanças. No fim, uma coisa é certa: tudo está conectado e aguardando ansiosamente por uma mudança no mercado atual, que ainda repete mecânicas, comunicação e premiações obsoletas. 
Sinto certa preocupação pela lentidão das mudanças e na falta de utilização da tecnologia a serviço dos programas de incentivo, das experiências do usuário, do engajamento real. Mas, ao mesmo tempo, fico esperançoso com o rumo que o setor está seguindo, propondo um novo olhar para esse mercado. O futuro da gestão de relacionamento está aí. Agora, cabe aos players do setor promover de fato a ruptura dos modelos defasados que precisamos e um dos caminhos para isso, é a tecnologia.
Rafael Assunção é CEO da Valuenet Incentive Solutions