Clique e visite a landing do Congresso ClienteSA 2022

O canal para quem respira cliente.

Wearables e apps são os principais caminhos para experiências digitais

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

Consumidores querem contar com ferramentas para rastrear e gerenciar desde aptidão física geral até como reduzir a propagação de doenças infecciosas

Existe alta demanda e forte expectativa dos consumidores em relação ao mercado de wearables – ou dispositivos vestíveis -, sendo que 88% deles acreditam no potencial dessa tecnologia para transformar positivamente tanto a saúde pessoal quanto os serviços de saúde pública como um todo. A constatação faz parte de pesquisa sobre as atitudes e comportamentos do consumidor em relação às tecnologias wearable realizada pela  Cisco AppDynamics. 

De acordo com o estudo, as pessoas estão abertas ao uso de dispositivos e aplicativos digitais relacionados à sua saúde e bem-estar para rastrear e gerenciar desde aptidão física geral, gerenciamento da saúde sexual e fertilidade até a identificar e reduzir a propagação de doenças infecciosas. A sondagem aponta que 89% dos consumidores brasileiros desejam usar tecnologias de saúde, incluindo wearables, para gerenciar condições crônicas ou contínuas de saúde e 92% gostariam de ser capazes de identificar os primeiros sinais de alerta de doenças.

Conforme análise constante do levantamento, o mercado de wearables, como smartwatches e outros sensores, é um dos setores que mais cresce na indústria de tecnologia. Pesquisas recentes mostram que o mercado global de wearables voltados à saúde deve atingir US$ 30,1 bilhões até 2026, de US$ 16,2 bilhões em 2021. De acordo com a Deloitte, 320 milhões de wearables de saúde serão vendidos globalmente em 2022.

“Com o avanço das inovações tecnológicas, a possibilidade de resolver alguns dos maiores desafios de saúde e bem-estar que enfrentamos em nossa sociedade se torna cada vez mais empolgante. Sejam monitores de frequência cardíaca que poderiam ser usados para detectar tendências preocupantes ou pulseiras que ajudam na previsão e concepção da ovulação, os benefícios potenciais das tecnologias wearable se tornam cada vez maiores”, aponta o estudo da Cisco..

Ainda, 90% dos entrevistados no Brasil mostram-se entusiasmados com o potencial dessa tecnologia para ajudá-los a rastrear e melhorar a saúde e o bem-estar de seus entes queridos. Os aplicativos – e não os dispositivos -, mostra o levantamento, são a chave para impulsionar a tecnologia wearable.

Desempenho dos aplicativos
Segundo consta do relatório divulgado, “pensar em tecnologia wearable, é natural imaginar um relógio ou pulseira. Também pode-se pensar em um monitor de ECG ou uma peça de roupa conectada. A realidade é que a grande maioria funciona apenas como dispositivos de coleta de dados que alimentam aplicativos de saúde digital utilizados pelos consumidores para monitorar e gerenciar um número crescente de diferentes aspectos de sua saúde, condicionamento físico e bem-estar”.

O estudo da Cisco mostra, também, que os consumidores já têm acesso a mais de 350.000 aplicativos de saúde digital e espera-se que este número aumente ainda mais. Com tanto entusiasmo, é vital que as marcas não negligenciam o papel crítico que estes aplicativos precisam desempenhar. O sucesso da tecnologia médica wearable vai depender do desempenho dos aplicativos

“Os fornecedores de aplicativos de tecnologia wearable precisam reconhecer que as expectativas do consumidor em relação às experiências digitais dispararam nos últimos dois anos. Com as pessoas dependendo quase exclusivamente de serviços e aplicativos digitais em tantas áreas de suas vidas durante a pandemia, elas se tornaram muito mais exigentes e menos tolerantes quando os aplicativos não funcionam como deveriam”.

Outro relatório recente da Cisco AppDynamics descobriu que 58% dos consumidores ao redor do mundo afirmam que as marcas têm apenas “uma chance de impressionar” e, se não oferecerem uma boa experiência digital, mudarão para um concorrente – possivelmente para sempre. “Essa é a realidade que todas as marcas agora têm que enfrentar”.

E quando se trata de saúde digital, onde a confiança é de suma importância, as apostas em torno da experiência digital são ainda maiores. Ao usar um dispositivo como um smartwatch ou pulseira para monitorar os dados de saúde, os consumidores estão compartilhando dados extremamente pessoais e confidenciais e eles precisam saber que esses dados estão sendo tratados adequadamente.

Nos apontamentos do estudo consta que 92% dos brasileiros relataram confiança como um fator crítico ao escolherem um dispositivo wearable ou aplicativo médico. “Contudo, não é apenas em relação à privacidade e segurança de dados que as pessoas têm tolerância zero para experiências ruins. Desde aplicativos lentos ou que travam até dificuldades com download e instalação, os consumidores não perdoam quando encontram experiências ruins de fornecedores de tecnologia médica desse tipo”. É por isso que 83% dos entrevistados brasileiros afirmam que deixariam de usar um dispositivo ou aplicativo wearable específico se tivessem uma experiência digital ruim.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima