Crediário digital ganha espaço nos meios de pagamentos 

Estudo indica que o chamado “Buy Now, Pay Later”, amplamente utilizado no Brasil, vem crescendo com intensidade no cenário global

0
84
Juan Pablo D’Antiochia, vice-presidente sênior da Worldpay from FIS para a América Latina
Juan Pablo D’Antiochia, vice-presidente sênior da Worldpay from FIS para a América Latina

O crediário digital ou “Buy Now, Pay later” vem crescendo e a projeção é que representem 4,2% do e-commerce global até 2024. Os dados são da pesquisa The Global Payments Report 2021, da Worldpay from FIS.  Em 2020, apontou o estudo, os pagamentos pós-compra – que permitem que os consumidores paguem suas compras em parcelas sem juros ou quitem a fatura após um determinado período –, somaram quase US$ 100 bilhões, ou 2,1% do e-commerce em diversas regiões do planeta.

“Esse método de pagamento, que oferece o parcelamento das compras, já é bastante difundido no Brasil e em países da América Latina, e surgiu como uma forma de aquecer o mercado e aumentar o poder de compra da população, que passou por instabilidades econômicas em seus países”, comenta Juan Pablo D’Antiochia, vice-presidente sênior da Worldpay from FIS para a América Latina, complementando: “O que vemos agora é um amadurecimento do BNPL, que deverá abocanhar uma fatia de consumidores que não possuem acesso ao crédito formal no mercado. O ‘Compre agora, Pague depois’ no e-commerce aparece como uma alternativa que combina crédito a interfaces tecnológicas, segurança e transparência”.

Uma vez que o parcelamento de compras já faz parte da cultura do brasileiro, hoje, o cartão de crédito é utilizado por 43% das pessoas em compras online, e 34% nas transações em lojas físicas, aponta o estudo. E, na avaliação do executivo, “ao ampliar o leque de opções de pagamentos em um mundo cada dia mais digital, o mercado torna-se mais flexível, aderente à atual realidade do consumidor e contribui para aquecer a economia”. Além disso, o parcelamento de compras, segundo o estudo da Worldpay from FIS, tem se tornado cada vez mais popular, sobretudo, entre pessoas de 18 a 39 anos.