Clique e visite a landing do Congresso ClienteSA 2022

O canal para quem respira cliente.

Poder de compra dos brasileiros vem diminuindo

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Mellissa Penteado, CEO da proScore

Mesmo com leve melhora em relação a 2021, perspectiva atual ainda desanima consumidores

Levantamento realizado em âmbito nacional pela proScore, bureau de crédito e authority de Score, baseado no seu índice autoral DPC – que dimensiona o poder de compras do consumidor – demonstra que esse fator anda em baixa no Brasil. Embora tenha apresentado uma sutil melhora de 76% no primeiro trimestre de 2022, frente aos 86% de 2021, quando esse índice atingiu o menor percentual de liquidez para o período dos últimos quatro anos. 

Da amostra trabalhada, a proScore apurou que a diferença para as pessoas ainda com capacidade de consumo para assumir novos compromissos financeiros foi concentrada em três faixas. Estas demonstram que, quanto mais elevado seu percentual, maior a capacidade de adquirir bens e serviços de maior valor. O resultado foi o seguinte: Faixa 1 de 10% (5,3%), Faixa 2 de 20% (8,8%) e Faixa 3 de 30% (9,9%). 

“Diante desta constatação, justamente na semana do consumidor, quando naturalmente ocorre uma chuva de ações de marketing e promoções que buscam estimular as vendas, nem toda essa quantidade e diversidade de campanhas será capaz de animar os consumidores brasileiros”, analisou Mellissa Penteado, CEO da proScore. 

Para ela, esse baixo percentual significa que ainda há um longo caminho a se percorrer frente a todos os esforços da retomada econômica. “Muitas lacunas monetárias como a falta de emprego e geração de renda e o aumento dos preços em diversos segmentos ao longo desses últimos 24 meses, infelizmente seguirão penalizando a circulação do dinheiro em si e comprometendo o poder de compra da população”. 

Grau de endividamento 
Outro índice apurado no estudo é o fator de endividamento potencial relativo que demonstrou uma tendência crescente de concentração do ticket médio de dívidas frente a geração de renda recorrente. Entre 2019 e 2020, momento pré e início da pandemia, tal fator indicava leve estabilidade, no entanto para 2021 houve um salto significativo de 28%, reforçado no levantamento de 2022. 

“Semestralmente monitorado pela proScore, o DPC aponta o potencial da liquidez do brasileiro e, consequentemente, o comportamento do seu grau de endividamento, que vem aumentando muito como reflexo da pandemia, mesmo sustentado por auxílios governamentais emergenciais. Exemplo disso é que na amostra modelada comparativamente nos dois últimos períodos, 17% dos consumidores que estavam sem potencial de liquidez em 2021 reduziram sua concentração de endividamento em 2022, enquanto 6% aumentaram esse mesmo índice”, destacou Mellissa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima