O canal para quem respira cliente.

Retomada de grandes eventos: a tecnologia como aliada do varejo

João Gustavo Pompeo da Cruz, fundador e CEO da Eyemobile

Torna-se fundamental entender o perfil de cada consumidor e buscar nos números do negócio as respostas para os desafios e oportunidades de crescimento

Autor: João Gustavo Pompeo da Cruz

Os grandes eventos estão de volta e, passado esse período de restrições sanitárias e isolamento social, é possível notar que os hábitos de consumo foram transformados e podem ser os grandes impulsionadores dos pequenos e médios negócios, principalmente do varejo de alimentos e bebidas, com a volta das celebrações de datas comemorativas e eventos tão aguardados pelos brasileiros.

Este ano, a Copa do Mundo, por exemplo, promete movimentar novamente os estabelecimentos comerciais, com torcedores de volta a bares e restaurantes para celebrar e acompanhar os jogos. Isso também vale para grandes campeonatos de futebol nacionais e regionais, que transformam a paixão do brasileiro em encontros e socialização. E é nesse contexto que os comércios locais devem sentir os efeitos da retomada, principalmente em fins de semana e nas etapas finais das competições, momentos em que a movimentação tende a ser positiva para pequenos e médios negócios do ramo.

De olho nas oportunidades para o segundo semestre do ano, observamos que o aumento do público exige preparação e adaptação, e isso começa muito antes. Ao mesmo tempo em que a retomada do movimento no comércio impulsiona novos negócios, a geração de novos empregos também se torna uma realidade no mercado de pequenos e médios empreendedores. Segundo o Sebrae, das 2,7 milhões de vagas abertas no ano passado, 80% foram oportunidades criadas entre os pequenos negócios, o que tende a crescer ainda mais este ano, com a volta presencial dos grandes eventos.

Além disso, em tempos de pandemia, a aceleração do on-line exigiu das empresas, quase que na marra, uma velocidade de mudança e adaptação nunca vista antes, o que elevou consideravelmente o nível de exigência dos consumidores e criou padrões de consumo que envolvem tecnologia e digitalização. Por isso, com o retorno para o presencial, é fundamental que esses empreendedores estejam atualizados quanto às melhores soluções para garantir interação, agilidade e satisfação a seus clientes, para equiparar com resultados antes encontrados apenas no digital.

Para solucionar essa demanda é importante pensar na experiência do consumidor, e isso vale tanto para o digital quanto para a loja física. No primeiro, a praticidade e fácil usabilidade são demandas fundamentais para prospectar e reter clientes, enquanto o segundo requer ainda mais atenção, pois ao investir em um atendimento personalizado, suprindo às necessidades dos consumidores principalmente em dias de grande movimento, o cliente pode considerar que está tendo uma boa experiência e retornar à loja, além de fornecer seus dados, outro pilar essencial para a estratégia de vendas. Não à toa, com a grande movimentação, se torna fundamental entender o perfil de cada consumidor e buscar nos números do negócio as respostas para os desafios e oportunidades de crescimento.

Para o varejo alimentício, outra experiência que tende a crescer bastante em época de grandes celebrações é o atendimento móvel, no qual o atendente vai até o consumidor, em bares e restaurantes. Com a volta massiva dos eventos presenciais, o olhar deixa de ser para o delivery e vendas digitais e passa a mirar a experiência do consumidor dentro do ambiente de venda. Isso significa trabalhar com a agilidade do atendente, onde o consumidor pode entrar no estabelecimento, mas não necessariamente precisa se deslocar até o caixa para realizar o pagamento. Ele pode, por exemplo, preferir realizar o pagamento com um atendente por meio de um dispositivo móvel.

Essa tendência muito indicada nesse ecossistema, e que deve ser analisada especialmente pelos pequenos e médios empreendedores, trata-se do sistema PDV (ou frente de caixa), que elimina a necessidade de um caixa físico, deixando o ambiente mais dinâmico, tanto por ganhar espaço quanto por gerar uma aproximação maior com os clientes, o que permite que o consumidor faça todo o processo de compra sem precisar se locomover, em um único dispositivo móvel e de forma rápida e simples. Tudo isso para facilitar as vendas e tornar mais simples o dia a dia da equipe.

A necessidade do distanciamento social alterou não só o calendário esportivo e de grandes eventos mundiais e nacionais, mas acabou afetando também pequenos negócios, que tinham em jogos e transmissões uma oportunidade essencial para aumentar o movimento dos estabelecimentos, lançar promoções e, consequentemente, vender mais. A retomada dos eventos traz grandes possibilidades para esses empreendedores, principalmente donos de bares e restaurantes, que podem voltar a ver nas transmissões e nos encontros uma janela de novos negócios e mais vendas.

João Gustavo Pompeo da Cruz é fundador e CEO da Eyemobile.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Rolar para cima