Clique e visite a landing do Congresso ClienteSA 2022

O canal para quem respira cliente.

Sinergia de cliente com fornecedores

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

Sinergia. Ato ou esforço simultâneo na realização de uma função, segundo o dicionário. Para os executivos de montadoras, sistemistas e demais participantes da cadeia produtiva do setor da engenharia da mobilidade no seminário ´Reavaliando a Manufatura na Indústria Automobilística, realizado no dia 28/06, em São Paulo, pela SAE BRASIL, esta é a palavra chave para o sucesso dos projetos de tornar ótimos os processos de produção na busca do menor custo e maior qualidade.
Alcançar a sintonia perfeita é, no entanto, tarefa árdua, pois envolve toda a cadeia de valor e, quando se trabalha com 300 a 400 fornecedores diretos, os objetivos nem sempre são atingidos. Exemplos de sucesso, no entanto, não faltam. Theodoro Paraschiva, gerente de Planejamento de FPS e 6 Sigma, da Ford, explicou como foi possível reunir, sob o mesmo teto, todos os fornecedores em Camaçari, Bahia. Com o uso de ferramentas Lean pela montadora e também pelos sistemistas, a Ford monta um carro em 17 horas, a partir da entrada do pedido. “Lá, o tempo de produção para
entrega é mais apertado do que em qualquer outro lugar”, afirmou Guilherme Castro, gerente de Engenharia de Manufatura da Lear, que fornece estofamento e participou do encontro com Paraschiva.
Outros exemplos de sucesso da adoção do “Lean Manufacturing” foram mostrados pela fabricante de lonas e pastilhas de freios TDM Friction e pela Delphi. “Obtivemos 30% de aumento de produtividade, com um layout 40% menor”, revelou Feres Macul, presidente da TMD Friction. “Para funcionar é preciso focar o cliente, pois todo negócio inicia e termina nele”, afirmou Gerardo Mendoza, diretor de Engenharia e Satisfação do Cliente da Delphi.
A opinião de Mendoza é compartilhada por colegas. Para Walter Serer, presidente da TDS Logística, o foco está no cliente: “Antes a indústria não produzia o que o consumidor queria, mas o que a manufatura podia entregar”.
Ouvir a voz do cliente foi o recado de Nestor Piuma, diretor de Business Excelence, da Dana, que falou sobre ´Os Desafios e as Oportunidades para adoção da ISO TS 16949´/, certificação que avalia os processos ao invés de elementos isolados e tem seu foco no cliente. “Os processos são iniciados e se encerram com o cliente, que primeiro fala o que quer e, no fim, dá o feedback do produto”, afirmou. “Por isso é importante ouvir o que ele tem a dizer”.
Estabelecer uma manufatura enxuta exige ainda mudança cultural e de atitude. José Eugênio Pinheiro, diretor de Manufatura da GM, Carlos Alberto Salin, vice-presidente de Manufatura da Volkswagen, e Luiz Tavares de Carvalho, diretor de Manufatura da DaimlerChrysler, mostraram isso em suas apresentações, ao descrever como aperfeiçoaram processos de produção.
Na GM foi adotado o Sistema Global de Manufatura, que permite a entrega
de um veículo em 10 dias, a partir do pedido. Salin explicou como o Sistema de Produção VW, aliado ao Lean Thinking Process, pode levar a montadora à excelência operacional.
Para Carvalho, a mudança começa pela escolha da empresa: rentável e lucrativa ou líder de mercado. “A Daimler optou por ser uma realizadora de sonhos e criadora de mitos, evitando transformar produtos em commodities”, afirmou.
A tecnologia digital na manufatura foi o foco de André Luiz Soriani, engenheiro de Desenvolvimento de Processos da Embraer, que mostrou como a multinacional brasileira usa modernos recursos de simulação para otimizar a manufatura de um avião, do corte das chapas da fuselagem ao layout do galpão de montagem.
Além disso o seminário mostrou como os engenheiros de processos utilizam a criatividade e ferramentas para contornar a queda de produtividade.Wim van Acker, diretor da Roland Berger nos Estados Unidos, fez uma análise muito oportuna sobre o potencial produtivo brasileiro e, com base em pesquisa com players norte-americanos de autopeças, afirmou que o Brasil continua a ser interessante polo de desenvolvimento e produção. “Aqui os riscos são menores do que na China, apesar de o mercado chinês ser maior”, disse.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima