Tem DNA inovador?

0
7
Muitas coisa mudou no mercado de consumo nos últimos anos. Principalmente om o avanço da tecnologia, o cliente adotou novos comportamentos, que estão obrigando as empresas a se reiventarem. Com isso, a inovação nunca foi tão importante quanto nos dias de hoje, ainda mais com a transformação digital. No entanto, apesar de boa parte do mercado já ter entendido o recado, ainda são muitas as empresas que patinam na hora de inovar. O motivo? Longe de ser tecnologia, em muitos casos ele está ligado à cultura da empresa. “Para que aumentem os índices de sucesso nessas iniciativas, é importante construir uma cultura organizacional que reflita este novo posicionamento, com mais agilidade na tomada de decisões e um pensamento que flui mais abertamente por todos os níveis da empresa”, detalha Ana Alice Limongi, diretora de desenvolvimento humano e organizacional na Neobpo.
Isso pode ser constanto em um levantamento da Cedro Technologies, com 100 empresas de grande porte. A pesquisa constatou que 75,76% dos executivos entrevistados já estão com projetos de transformação digital em execução. Porém, 74,68% ainda estão em estágio inicial de maturidade em transformação digital. Quando questionados sobre os desafios enfrentados quanto à transformação digital, o levantamento apontou que a maioria dos executivos, 36,72%, responderam que a cultura organizacional ainda é a principal dificuldade para a implementação da transformação digital em suas empresas.
De acordo com Flávio Pelizari, diretor de recursos humanos e treinamento da ReachLocal, a inovação não é algo que simplesmente acontece, do nada. Ela precisa ser cultivada, desenvolvida e estimulada. ” simples decisão ou vontade de se ter uma empresa ou um ambiente inovador não é garantia de que isto vai acontecer, apesar de ser um bom começo. Como em todo cultivo, um ambiente inovador precisa de investimentos para criar raízes e crescer”, afirma. Dentro disso, Alexandre Velilla Garcia, CEO do Cel.lep Idiomas, explica que a cultura organizacional de uma instituição consiste no conjunto de hábitos e valores que conduzem a dinâmica de um ambiente de trabalho. “Muitas vezes, não é nem ao menos percebida, mas, ao compreendermos seu funcionamento e a influência que ela tem sobre toda a realidade da empresa, temos em mãos a possibilidade de lidar com ela de acordo com as necessidades da companhia como um todo”, pontua.
Trazendo a inovação para esse contexto, o executivo indica que é preciso, primeiramente, que o ato do questionamento se torne um hábito cultural. “Como posso melhorar meu espaço de trabalho? Como posso ser mais criativo, eficiente e inovador? São questões que devem fazer parte da mentalidade de qualquer colaborador de uma empresa. Não só da liderança. Mas, para alcançar essa postura em conjunto, deve-se  fixar o conceito de disrupção e torna-lo inerente a imagem da empresa como um todo.” Isso pode ser feito por meio  da criação de espaços que permitam o debate rico de ideias, a evolução nas relações entre líderes e liderados, a quebra de paradigmas de gestão e a promoção de autonomia dos colaboradores. “Em um ambiente desafiador e mais aberto, acredito que, certamente, o colaborador pode ter seus níveis de motivação elevados.”
Já aponta a importancia de olhar toda a estrutura da companhia e se criar um mapa de ações em que, por sua vez, cada área tenha táticas relacionadas. “Quando se tem o primeiro nível de liderança reportando isso e trazendo um modelo de pensamento analítico, geram-se as conexões necessárias para o negócio e para esse novo posicionamento que se traduz em cultura.” Nesta jornada, ela comenta que pode haver dificuldades no dia a dia em termos de impacto humano, na medida em que a nova atuação esperada não fica clara aos colaboradores. O principal tratamento para isso seria engajá-los por meio dos propósitos individuais de forma simplificada, fazendo com que a transformação faça sentido para a pessoa. “A partir do momento em que o objetivo da empresa passa a ser o mesmo dele, o agente mobilizador fará com que o propósito se conecte a outras pessoas. À medida que se cria essa rede, os direcionamentos para essa cultura se estabelecem”, completa.
Assim, na criação de uma cultura digital, colocar o colaborador no foco da inovação é fundamental, segundo explica Romi Schneider, diretora da área de pessoas da Mandic Cloud Solutions. “Ter um ambiente inspirador, que estimule a integração, com certeza acelera o processo da transformação. A vivência do colaborador dentro da organização é uma extensão da sua vida pessoal.” Ela defende que os gestores precisam caminhar juntos com as equipes e entenderem que esse desafio é de todos, não apenas do time de TI. E o mais importante, a liderança precisa impulsionar iniciativas. “A tecnologia é uma ferramenta que sem o fator humano extraindo o melhor dela, deixa de fazer sentido. Uma iniciativa bem-sucedida está centrada nas pessoas e não apenas em tecnologia”, finaliza.

Confira nossas matérias e artigos sobre o assunto:

Estudo aponta que 74,68% das empresas ainda estão em estágio inicial em transformação digital
Visão unificada entre colaboradores permite alcançar altos níveis de inovação
Cinco dicas para desenvolver e estimular o espírito inovador no ambiente corporativo
A necessária mudança na cultura organizacional para aceitar novas tecnologias
Processo de transformação passa pela cultura organizacional das empresas
Transformação digital nas empresas passa pela cultura organizacional
No mundo das tecnologias exponenciais, como fortalecer o valor humano?
Tecnologia é importante, mas não pode se esquecer de investir no desenvolvimento das pessoas
O caminho para implementar nas empresas uma visão voltada a diversidade e inclusão