Access cresce junto ao mercado de cartões de crédito

0
11

A Access Telemarketing surgiu há 14 anos, no Rio de Janeiro, para atender a Credicard nos serviços de venda de seguros aos portadores de cartão e venda de cartões de crédito. A empresa iniciou suas operações com a estrutura de cinco PAs e 15 funcionários e, no seu primeiro ano de funcionamento, atingiu um faturamento que corresponderia hoje a aproximadamente R$ 300 mil.

A Credicard, como principal cliente da Access, estabeleceu parceria duradoura que ajudou a consolidar o desenvolvimento e a imagem da empresa no setor, pois sua expansão acompanhou o crescimento do mercado de cartões de crédito no Brasil. Outros projetos implementados que impulsionaram o crescimento da Access foram vendas de cartões de crédito para Unibanco, Citibank e Banco Real, e venda de assinaturas para Editora Abril.

Para acompanhar esta evolução, a Access investiu R$ 200 mil, em um período de dois anos, para modernizar-se. Tanto que, hoje, conta com 130 PAs nos sites de São Paulo e Rio de Janeiro, totalizando uma equipe de 240 funcionários. Atualmente atende o Banco Real, na venda de cartões de crédito e seguros, NCR – Central de Atendimento e Editora Abril, na venda de assinaturas. E sua receita anual gira em torno de R$ 4 milhões.

De acordo com o sócio diretor da Access, Clóvis Martins Chaves, o diferencial da empresa é que ela “sempre teve alto envolvimento nos projetos que executou, procurando alternativas para o sucesso de cada projeto”. Outra arma de grande importância destacada pelo executivo é o treinamento profissional. “Desenvolvemos treinamentos periódicos, tanto de técnicas de telemarketing, como do produto que estamos trabalhando. Essas reciclagens são fundamentais para manter a motivação dos operadores”, conclui.

Entre os projetos que a empresa reserva, em curto prazo, está a venda de assinaturas para internet, de banda larga. Já as expectativas para o mercado são otimistas. “Estimamos um crescimento de 25% para o mercado de telemarketing este ano. E a criação de novas empresas deve tornar o setor cada vez mais competitivo”, ressalta Chaves.