Fui demitido, e agora?

0
8
Autor: Marcos Vono
Um dia acontece para todo mundo. Você chega ao trabalho para mais um dia de batente e descobre que terá que encontrar outro caminho profissional. Foi demitido. A empresa para qual você trabalha não quer ou não pode mais mantê-lo em seu quadro de colaboradores. Um turbilhão de sentimentos se apossará de você. Embora, para alguns, o sentimento primeiro possa até ser de alívio, para a grande maioria a raiva, o medo e a decepção serão os sentimentos que primeiro aparecerão.
Mesmo para aqueles que, durante muito tempo reclamaram da empresa, falando aos quatro ventos que não aguentavam mais ter que acordar todos os dias para ir ao trabalho, a situação será desconfortável. Passado o primeiro momento, o caminho é se preparar para a busca de uma nova oportunidade. Será possível buscar um novo emprego, um novo trabalho, abrir uma empresa e até mesmo ser um profissional autônomo?
A grande maioria das pessoas, contudo, comete erros básicos nesta fase. Muitos acabam indo para a ação antes da análise e do planejamento. A melhor alternativa a ser seguida dependerá de alguns fatores que terão a ver com o nível de competitividade que cada profissional possui em relação a cada uma das alternativas. Estes fatores têm relação principalmente com a idade, com a qualidade da experiência, além de uma série de outros fatores, tais como conhecimento de idiomas, de tecnologias, etc.
Por exemplo, se o profissional tiver mais de 50 anos e uma experiência rica em alguma área específica do conhecimento valorizada pelo mercado, se a sua formação educacional for destacada pela qualidade das instituições onde estudou e pelo nível de formação (ex. MBA, mestrado e/ou doutorado), o profissional poderá pensar na hipótese de abrir uma consultoria ou ser um profissional autônomo. Porém, um profissional com menos de 30 anos, com uma experiência ainda em formação, com uma formação que atingiu apenas o nível de graduação, teria poucas chances como consultor.
Decidido o que se está buscando, a próxima etapa será definir uma estratégia para chegar lá. Caso a escolha tenha sido para ser um empregado dentro do regime CLT, a melhor alternativa será o acesso do networking do profissional. Caso ela não seja muito boa, de forma a ajudar na busca por um bom emprego, será necessário ampliá-la, uma vez que perto de 80% das vagas são fechadas por indicação das redes de relacionamento.
Neste caso, além da busca pelas melhores oportunidades, será fundamental ter um currículo muito bem feito, capaz de traduzir todas as competências e de comunicar claramente seu objetivo. Além disso, o profissional deverá estar preparado para as entrevistas – desde que não confunda estar preparado com estar treinado para as entrevistas.
Estar preparado é ser capaz de falar de suas características de personalidade, dos atributos que formam sua identidade profissional. É ser capaz de falar de erros e acertos, das características que formam a identidade profissional. Estar preparado para as entrevistas é ser capaz de fazer as perguntas de forma a avaliar a proposta de maneira detalhada e conseguir convencer o entrevistador de que você é o candidato ideal para aquela vaga e empresa.
Porém, caso a opção venha a de se tornar consultor, será inevitável buscar formação profissional para isso, além de toda a parte burocrática, como por exemplo um contador e um advogado.
O espaço deste artigo é pequeno demais para que esgotemos o tema: a busca por uma nova oportunidade de trabalho, a busca por competitividade profissional. Portanto, se você que está lendo este artigo está empregado, pense fortemente em, o mais rápido possível, fazer um balanço de sua competitividade profissional. Pense em o quanto seu emprego atual está em risco e o que você precisa fazer para continuar empregado.
Pense também para onde está conduzindo sua carreira e quais serão os conhecimentos e competências que você deverá ter quando a hora “H” chegar. A partir daí, mãos a obra. Seja um ótimo profissional na função que está desempenhando no atual emprego. São estes resultados que você venderá para o próximo empregador.
Busque informações periodicamente sobre a área para qual esta levando sua carreira e por fim, busque formação de primeiro nível, pois, este será um dos mais importantes requisitos de acesso.
E para finalizar, lembre-se sempre que, assim como no caso da saúde, na carreira também a prevenção é o melhor caminho. Hoje essa realidade pode parecer longe demais dos olhos, porém, amanhã, poderá ser uma questão de sobrevivência.
Marcos Vono é especialista em recursos humanos e carreiras, professor de MBA e pós-graduação, palestrante e consultor.