Clique e visite a landing do Congresso ClienteSA 2022

O canal para quem respira cliente.

A força da loja física no varejo de conveniência

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Renato Sá, CEO da Tintas MC

CEO da Tintas MC expõe como o digital e a cultura de CX conferem relevância aos pontos de venda presenciais

Profissionalizar uma empresa familiar bem-sucedida, em processos sucessórios muitas vezes delicados e complexos, sempre foi um desafio para garantir a perenidade do negócio, consolidando-o em um caminho de modernização assegurada. Agora, acrescente-se a isso a evidência de também embarcar em uma transformação digital e cultura de customer experience que se tornaram marcos da competitividade atual. Pois foi justamente a superação de todos esses eventuais obstáculos que permitiram à Tintas MC, com 58 anos de fundação recém-completados, expandir-se pelo país, de pouco mais de 40, para 200 lojas físicas multimarcas, entre próprias e franqueadas formando um ecossistema de produtos e serviços, em plena pandemia. Representando a segunda geração da família e a liderança do grupo, Renato Sá, CEO da Tintas MC, participou, hoje (02), da 473ª edição da Série Lives – Entrevista ClienteSA e traçou o quadro geral dessa transição que promete um futuro bem fundamentado também nos alicerces do passado.

Iniciando pelo momento atual da empresa fundada em 1964 a partir de uma única loja no tradicional bairro paulistano da Mooca, o executivo contou que cerca de cinco anos atrás, já com mais de 70 pontos próprios de varejo em São Paulo, Rio de Janeiro e Goiás, era chegado o momento de expandir o negócio por meio de franquias, chegando já a mais de 100 estabelecimentos dentro desse modelo pelo país. Ele confirmou a importância da atuação da companhia na ressignificação adquirida pelo segmento de casa e construção durante a pandemia, com as pessoas valorizando mais as residências durante o isolamento social. Ele também demonstrou uma percepção positiva, mesmo dentro das transformações que o varejo vivenciará na transição atual, em relação à relevância do papel das lojas físicas para o consumidor. “Mas sem desprezar a jornada do digital, algo demandado por boa parte dos clientes nessa nova realidade.”

Convidado a incluir essa análise dentro da transição que vem passando a organização familiar há alguns anos, dentro de um processo de profissionalização e governança, Renato contou que a sigla MC do nome da empresa traz as iniciais de Manoel e Cleide, os fundadores, seus tios e sócios de seu pai, Amílcar. Agora, ele representa a segunda geração da família à frente da companhia e pôde acompanhar o quanto a preocupação pelo oferecimento de uma boa experiência aos clientes fazia parte, intuitivamente, dos iniciadores do negócio. Com apenas 16 anos de idade ele já fazia parte disso, como balconista e ajudando em tudo o que podia, até que, uma década e meia depois, em 2005, a veia empreendedora, comum na família, o levou para fora para se lança na abertura de um negócio próprio de distribuição de tintas, a Premium – que hoje se expandiu também para o, mercado de construção civil em geral. Porém, em 2015, ele foi convidado a retornar à MC Tintas e é feita uma fusão dentro das atividades de varejo e distribuição, iniciando um forte processo de profissionalização, surgindo a holding Aliar.

Aprofundando o conhecimento que a organização já possuía da base de clientes, entre consumidores finais, arquitetos e empresas, uma das descobertas nessa nova trajetória foi a existência de um distanciamento dos indispensáveis influenciadores do segmento, que são os pintores.

“Estamos em um país com uma sólida cultura de terceirização do serviço de pintura, e teríamos que construir uma jornada respeitando a relevância adquirida por esses profissionais. Paralelamente, era evidente que uma das dores do consumidor final era, muitas vezes, o despreparo desses agentes que não compram as tintas, mas influenciam nas escolhas. Por isso, criamos um elo muito forte com essa categoria de influenciadores da pintura, a ponto de ter como uma de nossas estratégias trazê-los para dentro de casa, ajudando-os, conversando e entendendo todo o seu universo, numa ampliação do conhecimento mútuo.”

Com quase 200 lojas físicas e uma cultura histórica de atendimento presencial, o CEO afirmou que a organização ainda não fez um balanço mais preciso sobre o quanto a transformação digital está impactando também o negócio. Entretanto, mesmo com um e-commerce ainda relativamente tímido, ele disse se surpreender com o protagonismo adquirido pelo Whatsapp nas interações com os clientes. “Ele está tão presente no nosso dia a dia que até nos esquecemos de que isso é uma vertente digital. Esse canal ganhou notoriedade nos períodos mais agudos da pandemia e acabou se firmando, sendo utilizado hoje mesmo pelos consumidores que vão à loja física normalmente.” Nesse sentido, mesmo admitindo a tendência do relacionamento híbrido no varejo, ele chamou  atenção para a relevância destacada das lojas físicas. Exemplificando com casos de organizações que nasceram no virtual e hoje flexibilizam as atividades também com pontos físicos de vendas. Em resumo, para ele trata-se de um novo ecossistema varejista do qual a MC Tintas tem de fazer parte.

Trata-se, também, na visão de Renato, de trazer para o presente, como um propósito confirmado dentro de uma nova realidade, o antigo bordão publicitário “Tintas MC, tudo em tintas pra você”. Agora em uma cultura efetiva de CX, juntando passado e futuro, criando multicanalidade, conveniência, marketing digital e outras formas de aproximação, tudo alicerçado nos pilares que consolidaram a varejista multimarcas. Ele pôde explicar ainda as análises que permitiram ao grupo enxergar o potencial de crescimento via franchising, aproveitando o espírito de empreendedorismo e força local dos franqueados se somando a essa cultura construída pela empresa, além de descrever os esforços para conhecer cada vez mais os clientes, suas dores e anseios, “nos apaixonando pelos seus problemas”, levando cada vez mais conveniência a partir das lojas físicas.

O vídeo com o bate-papo na íntegra está disponível em nosso canal no Youtube, o ClienteSA Play, junto com as outras 472 lives realizadas desde março de 2020. Aproveite para também para se inscrever. A Série Lives – Entrevista ClienteSA retorna amanhã (03), com a presença de Filipe Sisson, CEO e fundador da iGUi, que falará da franquia com presença internacional no segmento de piscinas; na quarta, será a vez de Evaristo Souza, gerente de relacionamento com cliente da Brasilprev; e na quinta a Andrezza Rodrigues, fundadora e CEO da HerMoney. Encerrando a semana, o Sextou trará o tema “Tendências: Vem aí um novo mercado de contact center e BPO?”, com Ladislau Batalha, CEO do LAB Experience, e Luiz Antonio Urquiza, vice-presidente de negócios multisetor da Atento Brasil.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima