O canal para quem suspira cliente.

Pesquisar
Close this search box.

A força dos jovens de classe média no Brasil

Segundo pesquisa do Instituto Locomotiva, os nativos digitais anseiam pelas conexões, se preocupam com a sociedade como um todo e são consumidores criativos 

Os jovens de 16 a 34 anos da classe média movimentam cerca de R$ 655 bilhões ao ano e, portanto, se fossem um Estado, teriam a segunda maior renda do Brasil, ficando atrás apenas de São Paulo.  Eles fazem parte de uma classe que tem as redes sociais como segundo ativo mais importante da sua vida, perdendo apenas para os apps de banco entre os mais jovens, e plataformas de mensagens instantâneas para a geração de 35+. Os dados constam de pesquisa realizada pelo Instituto Locomotiva, que entrevistou cerca de 1.500 brasileiros entre 16 e 34 anos, em projeto contratado pelo Kwai for Business, plataforma de negócios do Kwai, app de criação e compartilhamento de vídeos curtos. 

Segundo o estudo, esses jovens fazem parte de uma geração de nativos digitais que anseiam pelas conexões, se preocupam com a sociedade como um todo e são consumidores criativos, estando cada vez mais próximos das marcas. “A classe média representa, no geral, 70% da população, sendo 41,4 milhões de jovens. Há um entendimento bastante claro que este público é um dos principais segmentos em termos demográficos e de consumo em território nacional. Nosso objetivo com esse estudo é destrinchar os hábitos de consumo e entender melhor a relação dele com os apps e as redes sociais”, comentou Paulo Fernandes, diretor do Kwai for Business nas Américas. 

Autoimagem e identidade 

De acordo com a sondagem, quem tem idade entre 16 e 34 anos dentro desse segmento destaca a dimensão racial (41%), a idade (47%) e o gênero (58%) como características importantes na definição da própria identidade. Entre a população com mais de 35 anos, esse ranking muda um pouco e fica composto da seguinte forma: papel na família (52%) em primeiro lugar, seguido por gênero (50%) e trabalho/profissão (48%).

Principais interesses e consumo

Entre os assuntos considerados como importantes para essa geração, a música (60%) se classifica em primeiro lugar, e 7 entre cada 10 jovens da classe média consideram de suma importância conhecer novos artistas. Carreira (57%) e bem-estar (56%) completam o top 3 da lista de interesses. 

No quesito de identificação, o grupo se reconhece mais com as marcas do que os mais seniores, sendo que 72% revelam que têm uma que define a sua identidade. O estudo também ressalta que, enquanto a classe média de até 34 anos se identifica mais com marcas esportivas, aqueles do mesmo estrato com 35 anos ou mais preferem as que estão ligadas à tecnologia. A principal categoria de consumo entre os jovens desse segmento é o vestuário (60%), enquanto higiene e beleza (54%) e alimentos para preparar (54%) compõem a lista empatados em segundo lugar.

Processo de bancarização 

Outro ponto abordado nesse diagnóstico é como esse público se relaciona com as finanças. No que se refere ao acesso a serviços financeiros, a combinação de contas entre bancos digitais e tradicionais é a opção mais comum tanto para os jovens quanto para os mais velhos. Porém, entre os últimos é mais frequente o uso exclusivo das instituições tradicionais e entre os primeiros é mais corriqueiro o acesso exclusivo aos digitais.

Somente 12% dos jovens possuem contas abertas apenas em bancos tradicionais, 28% em bancos digitais, 50% possuem ambas e 10% declararam não ter conta em nenhuma instituição financeira. “Essa geração representa um mercado com muito potencial no Brasil. Eles são um público mais digitalizado, mais escolarizado e mais ativo economicamente comparados ao total da população. Esses jovens querem espaços e plataformas onde se sintam representados, 84% disseram se identificar com marcas que trazem elementos do seu dia a dia e 77% preferem marcas que valorizam a cultura local do país”, comentou Renato Meirelles, presidente do Instituto Locomotiva.

Metodologia da pesquisa

As entrevistas para a pesquisa quantitativa foram realizadas entre os dias 1 e 19 de setembro de 2022, com 1.500 pessoas, com ou mais de 16 anos, dos 26 estados e o Distrito Federal – ao todo são 27 unidades federativas. As cotas para a amostra foram: região, escolaridade, gênero, idade e classe social. Os dados foram ponderados por região, escolaridade, idade e sexo segundo os parâmetros do Pnad 2021, IBGE. Além disso, foram considerados da classe média a população com renda per capita entre R$ 534,00 e R$ 4.556,00.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima