Consumidor consciente e com direitos

0
1



Cada vez mais bem informados sobre seus direitos e deveres no comércio, o consumidor comemora hoje, 15 de março, o seu dia. Instituído em 1962 pelo, na época, presidente norte-americano John Kennedy, o Dia Mundial dos Direitos do Consumidor surgiu, por meio de mensagem especial enviada ao Congresso Americano, acerca da proteção dos interesses destas pessoas, inaugurando assim a conceituação dos direitos do consumidor. Para oficializar as regras da relação entre consumidor e lojista, e preservar seus interesses, foi criado no Brasil, em 1991, o Código de Defesa do Consumidor.

 

Porém, a relação entre as empresas e os clientes é ainda muito delicada, apesar dos avanços. Recentemente, acompanhamos o caso da Brastemp e da Renault que foram alvo de campanhas nas redes sociais realizadas por clientes que tiveram problemas com produtos das marcas. Marcelo Pugliesi, diretor de Novos Negócios da Direct Talk, acredita que o balanço do último ano é positivo, mas que ainda há muito para ser feito. Segundo o executivo, hoje, as empresas estão com um olhar diferenciado para o atendimento. “Elas começaram a entender que oferecer um atendimento de qualidade é benéfico para todos, pois elas mesmas ocupam o papel de cliente em diversas situações do dia a dia”, afirma.

 

No varejo não diferente. No decorrer dos anos, as diferentes formas de comunicação exigiram dos varejistas um trabalho ainda mais efetivo, a fim de atender às inúmeras necessidades apresentadas pelos consumidores atuais. “Hoje, o varejo tem a obrigação de se profissionalizar constantemente, capacitando sua mão-de-obra, criando estratégias que realmente chamem a atenção de seu público, além de estarem por dentro de todas as obrigações que permeiam o compromisso dos lojistas com o consumidor, pois estes sabem exatamente aquilo que têm direito”, comenta Nabil Sahyoun, presidente da Alshop (Associação Brasileira de Lojistas de Shopping).

 

Consumo consciente

Exatamente no Dia do Consumidor, outra entidade, o Instituto Akatu completa dez anos de fundação. É uma década de trabalho buscando conscientizar e mobilizar os brasileiros pelo consumo consciente. Este Dia do Consumidor marca o início das comemorações que se estenderão por todo o ano.

 

Nesta terça-feira, o instituto lança portal novo, inaugura seu perfil no Facebook e começa a implementar sua política de comunicação digital integrada. Ao longo do ano, haverá eventos, seminários, oficinas de consumo consciente, exposição, campanha publicitária, anúncio de novas parcerias e atuação conjunta com outras entidades no Brasil e no exterior (Chile e Estados Unidos, por exemplo).

 

O Akatu foi criado no âmbito do Instituto Ethos, e, pela importância do tema do consumo consciente, acabou desmembrado como uma ONG autônoma. Ao longo destes dez anos, o trabalho do instituto alcançou mais de 60 milhões de pessoas. Neste ano, o Akatu aprofunda seu trabalho de comunicação e educação e ainda lança uma nova campanha publicitária.

 

Inovação e criatividade

Um relatório gerado pela Consumer 2020: Reading the Signs de responsabilidade da Deloitte analisou o mercado consumidor mundial e traçou expectativas para os próximos dez anos. Segundo o estudo, os futuros compradores passarão a valorizar produtos locais de baixo custo, valorizando também uma produção sustentável. Ainda de acordo com o relatório, aparecerão 800 milhões de novos consumidores com origem numa classe média proveniente de mercados emergentes. Para suportar o brusco crescimento, as empresas devem pensar em reestruturação, desenvolvendo novos produtos e serviços.

 

E isso já está acontecendo no mercado. Todos os dias surgem novas maneiras de atrair os consumidores; as compras coletivas, os leilões on-line, os agrupadores de ofertas, as próprias redes sociais, o reclame aqui. Existe uma série de inovações tecnológicas que vêm para abocanhar essa fatia do mercado em constante crescimento. O perfil do consumidor, enquanto internauta evoluiu de diversas formas. Um exemplo de adequação aos novos estilos de vida, preferências e exigências do consumidor, é a Comune, agrupador de ofertas, que trabalha com o intuito fundamental de facilitar o comércio eletrônico das compras coletivas. Com uma tecnologia 100% brasileira, a Comune faz varreduras na internet por meio de um sistema que utiliza robôs inteligentes para coletar informações e ofertas para o mercado de compras coletivas.