Varejo pode chegar a R$ 90 bi no Natal

0
1



As compras de final de ano já começaram e o consumidor, que já prepara o destino da parcela do 13° salário, já pode pensar em presentear familiares e amigos. Para o ano de 2010, a estimativa da FCDLESP (Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Estado de São Paulo) e das CDLs (Câmaras de Dirigente Lojistas) não é de um natal recheado de lembrancinhas, mas sim de uma época de maior consumo e presentes, além de bons resultados nas vendas.


A expectativa das CDLs do Estado de São Paulo é que neste final de ano o varejo venda em média 12% a mais do que no mesmo período em 2009, podendo chegar a R$ 90 bilhões. Naturalmente, alguns setores terão faturamento ainda maior, principalmente aqueles que seus preços são regulados pelo dólar norte-americano. “A venda de artigos importados está sendo impulsionada pela queda do valor da moeda americana em relação às outras, fazendo nosso real valer mais. Boa notícia para um maior número de consumidores que terão acesso a produtos antes destinados apenas à população de maior renda”, afirma o presidente da FCDLESP, Mauricio Stainoff.


No interior do estado de São Paulo o crescimento de vendas fica equilibrado, mas também há boas expectativas para a época de festas. Para o presidente da CDL de São José do Rio Preto, Ronaldo José dos Reis, 2010 está sendo um ano atípico devido a realização das eleições e, também, da Copa do Mundo. Segundo ele os lojistas da região estão otimistas e acreditam que as vendas serão 10%  superiores a 2009.


Para o presidente da CDL de Jaú, Marcos Bossonário, as vendas de natal serão 8% maiores do que 2009. Para ele, o aumento das vendas do pequeno empresário será menor do que o crescimento do grande varejo. “Para os menores o aumento será em torno de 8%, menos que para o grande varejo que espera um aumento em torno de 11 a 12%”, comenta. Já para o presidente da CDL de Bebedouro, Antonio Rodrigues Sobrinho, os lojistas da região esperam um aumento de 9 a 10%.


Segundo a FCDLESP, o impulso das vendas pode ser dividido por setores. Os televisores podem apresentar crescimento de quase 30% nas vendas. O número de máquinas fotográficas digitais também deverá dobrar. Já os artigos de informática e aparelhos celulares manterão a liderança no crescimento das vendas.  “Alimentos e bebidas importadas também farão parte da mesa na ceia de Natal. Os consumidores também estão optando por produtos com mais qualidade e valor agregado quando compram móveis e os artigos da linha branca”, destaca Stainoff.