O ponteiro volta a subir

0
2
A pesquisa de taxas de juros das operações de crédito da Anefac – Associação Nacional de Executivos de Finanças Administração e Contabilidade, constatou a quarta elevação no ano, no último mês de agosto, consolidando-se como a maior desde novembro de 2012. Para o coordenador de estudos econômicos da entidade, Miguel Ribeiro de Oliveira, a elevação pode ser atribuída ao último aumento da Taxa de Juros Básica (Selic) promovida pelo Banco Central, de 8,50% ao ano para 9,00% ao ano. As taxas médias de juros de crediário por Estado também subiram, com destaque para o aumento de Brasília e a continuação do Paraná como de maior taxa anual. 
Acompanhe os indicadores:
Pessoa Física
Das seis linhas de crédito pesquisadas, uma se manteve estável (cartão de crédito-rotativo) e cinco foram elevadas (juros do comércio, cheque especial, CDC-Bancos-financiamento de automóveis, empréstimo pessoal-bancos e empréstimo pessoal-financeiras). A taxa de juros média geral para pessoa física apresentou uma elevação de 0,03 ponto percentual no mês (0,65 ponto percentual no ano) correspondente a uma elevação de 0,55% no mês (0,72% em doze meses), passando a mesma de 5,48% ao mês (89,69% ao ano) em julho/2013 para 5,51% ao mês (90,34% ao ano) em agosto/2013, permanecendo como a maior taxa de juros desde novembro/2012. 

Pessoa Jurídica
Das três linhas de crédito pesquisadas, todas foram elevadas no mês. A taxa de juros média geral para pessoa jurídica apresentou uma elevação de 0,03 ponto percentual no mês (0,51 ponto percentual em doze meses) correspondente a uma elevação de 0,96% no mês (1,14% em doze meses) passando a mesma de 3,13% ao mês (44,75% ao ano) em julho/2013 para 3,16% ao mês (45,26% ao ano) em agosto/2013 sendo esta a maior taxa desde novembro/2012.
Taxa de juros x Selic
Considerando todas as reduções e elevações da taxa básica de juros (Selic) promovidas pelo Banco Central desde julho/2011, tivemos neste período (julho/2011 a agosto/2013) uma redução da Selic de 3,50 pontos percentuais (redução de 28,00%) de 12,50% ao ano em julho/2011 para 9,00% ao ano em agosto/2013. Neste período a taxa de juros média para pessoa física apresentou uma redução de 30,87 pontos percentuais (redução de 25,47%) de 121,21% ao ano em julho/2011 para 90,34% ao ano em agosto/2013. Nas operações de crédito para pessoa jurídica houve uma redução de 15,77 pontos percentuais (redução de 25,84%) de 61,03% ao ano em julho/2011 para 45,26% ao ano em agosto/2013. 
Perspectivas para os próximos meses
Para Miguel Ribeiro de Oliveira, tendo em vista os atuais indicadores de inflação que evidenciam pressões inflacionárias, bem como o fato do índice oficial de inflação estar muito acima do centro da meta do Banco Central, deverá ocorrer nova elevação da taxa básica de juros (SELIC) na próxima reunião do COPOM. Por conta disso, é provável que as taxas de juros das operações de Crédito voltem a ser elevadas nos próximos meses