São Paulo, Brasil - 9 de dezembro de 2023, 12:37
Banner Cliente SA_v3

A visão do consumidor e da indústria para o desperdício de alimentos

Apesar da população achar que é a maior responsável no combate, apenas 10% dos descartes ocorrem de fato dentro de casa

Apesar do percentual alto de empresas que desperdiçam alimentos no Brasil, 66% das empresas ou colaboradores do ramo alimentício e 75% das pessoas em geral acreditam que a responsabilidade em relação à redução do descarte de alimentos deveria ser da população. Porém, o estudo “O Alimento que Jogamos Fora – Causas, consequências e soluções para uma prática insustentável”, realizado pela MindMiners em parceria com a Nestlé, mostra que o maior volume de desperdício não ocorre dentro das casas, com o consumidor final.

A pesquisa revela que apenas 10% dos descartes ocorrem de fato dentro de casa e que mais de 90% do desperdício alimentar ocorre durante a cadeia produtiva. O levantamento mostra também que apenas 4% das empresas do ramo alimentício entrevistadas na pesquisa nunca descartam alimentos, reaproveitando-os de maneira correta. Entre os 96% que afirmaram descartar comida, mais da metade (54%) diz realizar os descartes sempre ou frequentemente.

“É uma conta que não fecha, e esse debate precisa ocupar cada vez mais espaço. É claro que a população também deve ser conscientizada, afinal uma parte do desperdício também ocorre nas casas. No entanto, o volume diário de comida preparada e processada em uma única empresa do ramo alimentício é muito maior do que em uma casa com 3 ou 4 pessoas. Há muito o que ser feito pelas empresas nesse sentido”, pontua a coordenadora de insights da MindMiners, Juliana Tranjan.

A pesquisa, que ouviu 2.000 respondentes da população geral e 500 respondentes proprietários ou colaboradores de empresas do ramo alimentício de todo o país, faz uma análise aprofundada sobre como as empresas podem reverter esse quadro de desperdício, auxiliando inclusive na conscientização da população sobre o tema. Alguns dos números levantados pela pesquisa mostram que:

– para 63% dos entrevistados, a fome no mundo e no Brasil é um tema preocupante, e o público feminino e a geração acima de 60 anos se mostraram mais sensíveis ao tema;

– para 85%, combater o desperdício de alimentos no país é importante;

– 50% do desperdício de alimentos ocorre durante o manuseio e transporte;

– Legumes e verduras correspondem a 21% dos alimentos descartados nas empresas;

– 92% dos respondentes acreditam que a ação do estabelecimento em que são proprietários ou colaboradores pode fazer a diferença na redução do desperdício de alimentos.

Como as empresas podem contribuir e se responsabilizar?

“A doação de alimentos, além de minimizar o desperdício, contribui para a redução da fome e da insegurança alimentar enfrentadas por indivíduos em condições de vulnerabilidade”, ressalta Juliana. Porém, o estudo mostrou que houve uma queda de 80% nas doações de alimentos no Brasil em 2022 em relação ao ano de 2020, e somente 13% dos respondentes afirmam que realizam regularmente a doação de alimentos. “ONGs dizem que pessoas e empresas deixaram de doar após o pico da pandemia, mas a fome e a insegurança alimentar ainda persistem.” Além disso, as empresas têm um grande potencial educativo, podendo compartilhar informações com os colaboradores e com a população. Entre as medidas já adotadas pelas empresas, 47% afirmam que fazem um rigoroso controle de estoque.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima