Alta na confiança do consumidor

0
0
O consumidor paulistano está mais otimista, segundo dados do Índice de Confiança do Consumidor (ICC) da Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomercio). Em junho, o ICC registrou alta de 2,7% em relação a maio, e computou 130,4 pontos contra 127 no mês anterior. Esta é a primeira elevação no índice depois de três quedas consecutivas. É importante ressaltar que o ICC varia de 0 a 200, mostrando pessimismo abaixo de 100 pontos e otimismo acima desse patamar.
“O otimismo em junho se deve à uma enxurrada de boas notícias econômicas: a melhoria da renda da população, redução da taxa de juros, menor risco-país, inflação controlada, revisão do PIB, e consecutivas quedas do dólar. Essa onda favoreceu a expectativa dos consumidores quanto à situação futura”, afirma o presidente da Fecomercio, Abram Szajman.
O ICC é composto por dois indicadores: o Índice das Condições Econômicas Atuais (ICEA), que mede a avaliação do consumidor sobre sua situação presente, e o Índice de Expectativa do Consumidor (IEC), que mensura suas expectativas com relação ao futuro. Em junho, o ICEA aumentou 1,3%, alcançando 139,2 pontos, enquanto o IEC atingiu alta de 3,8% e chegou a 124,5 pontos. Os dois resultados são fruto da atual conjuntura econômica.
Na análise por faixa de renda, a confiança do consumidor com ganhos inferiores a 10 salários mínimos registrou elevação de 0,1%, no contraponto junho a maio, situando-se em 122,7 pontos. O ICEA ficou estável em 130,1 pontos, enquanto o IEC registrou leve alta de 0,2% e chegou a 117,7 pontos. Já os consumidores com rendimentos acima de 10 salários mínimos demonstram mais confiança tanto no presente quanto no futuro: alta de 10,4% (137,4 pontos) no IEC e de 3,6% no ICEA, chegando a 156,1 pontos.
Na avaliação por sexo, em relação ao mês anterior, os homens se mostraram menos esperançosos quanto ao futuro. O IEC apresentou queda de 0,8% (128,8 pontos), deixando o ICC com 134,2 pontos e uma variação negativa de 0,2%. O ICC para o grupo feminino teve alta de 5,9% (127 pontos). Na segmentação por faixa etária, o grupo com mais de 35 anos teve alta de 4% (124,4 pontos) no ICC. Este resultado explica-se pela elevação no Índice de Expectativa do Consumidor (IEC), que registrou elevação de 5,4% (119,9 pontos), e no ICEA, que aumentou 2,2% (131,1 pontos) na comparação com maio.