Clique e visite a landing do Congresso ClienteSA 2022

O canal para quem respira cliente.

Consumidores estão dispostos a pagar com criptomoedas

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Rafael Brunacci, gerente de desenvolvimento de negócios da CoinsPaid na América Latina

Pesquisa indica que aceitar pagamentos em moeda digital poderá significar vantagem competitiva aos varejistas

Existe uma demanda crescente na América Latina pelo uso de criptomoedas para pagamentos nas compras presenciais. A constatação faz parte de pesquisa divulgada pela CoinsPaid, segundo a qual, no Brasil, por exemplo, 36,3% dos entrevistados disseram ter interesse em realizar os pagamentos em lojas físicas utilizando-se das moedas digitais. O restante dos entrevistados brasileiros relataram que usariam cripto em lojas físicas apenas em circunstâncias específicas.

De acordo com a sondagem, 9,1% dos entrevistados usaria essa forma de pagamento apenas em uma loja com marca forte/familiar; 10,6% só usariam criptomoedas em estabelecimentos para itens de grande valor; enquanto 7,1% somente para compras de pequeno valor. No geral, 63,1% dos brasileiros disseram que estão prontos para adotar pagamentos em criptomoedas para pelo menos algumas de suas compras físicas no varejo. Enquanto 30,4% dos brasileiros disseram que nunca usariam criptomoedas nem para pagamentos on-line.

O estudo revela que os brasileiros estão alinhados com os consumidores de outros países da região em relação ao desejo de usar criptomoedas: 65,4% dos colombianos afirmaram que estariam prontos para usar criptomoedas para pelo menos alguns pagamentos em lojas de varejo e 65% dos argentinos disseram o mesmo. Enquanto isso, 35% dos argentinos disseram que nunca usariam uma criptomoeda em lojas físicas e 44,5% nunca usariam online; enquanto 34,6% dos colombianos relataram que nunca usariam criptomoedas em uma loja física e 29,3% nunca usariam a moeda digital para pagar online.

“Existe uma suposição entre algumas empresas de que, como as criptomoedas são moedas digitais, os clientes só vão querer usá-las como meio de pagamento no mundo on-line. No entanto, isso claramente não é o caso no resto do mundo e estamos descobrindo cada vez mais que isso não representa a experiência de varejo na América Latina”, diz Rafael Brunacci, gerente de desenvolvimento de negócios da CoinsPaid na América Latina.

Obstáculos ao crescimento
A pesquisa identifica os principais obstáculos para o crescimento do uso de criptomoedas. No Brasil, 36,2% dos entrevistados sinalizaram que a confiança na segurança de tal pagamento poderia torná-los mais propensos a usar criptomoedas como pagamentos – mais do que qualquer outro fator. Ao mesmo tempo, os brasileiros também disseram que se, ao comprar com criptomoedas, tivessem descontos especiais em produtos (26,8%) ou maior comodidade e conforto (26,3%) como possíveis benefícios, se sentiriam mais incentivados a escolher uma moeda digital como forma de pagamento.

Brunacci diz que o rápido crescimento de negócios que ajudam empresas a processarem pagamentos em criptomoeda é uma prova da crescente demanda dos indivíduos por terem opções além das tradicionais moedas ‘fiduciárias’. “Algumas empresas pensam que as criptomoedas são compradas apenas como reserva de valor – semelhante a um ‘ouro digital’ – e como os clientes não usam ouro físico no checkout, os varejistas também não precisam processar moedas baseadas em blockchain como meio de pagamento. Na verdade, o oposto é verdadeiro, e as empresas que não podem dar aos clientes a opção de pagar com criptomoedas perderão cada vez mais vendas para os concorrentes que já aceitam esse método de pagamento”.

De acordo com a sondagem, o item em cuja aquisição os entrevistados mais escolheriam usar criptomoedas como meio de pagamento eram eletrodomésticos (27,1%), mas viagens (25,8%), comida (22,5%) e jogos online (18,8%) também foram escolhas populares. No entanto, os entrevistados também sinalizaram que há uma oportunidade para os varejistas melhorarem sua marca por meio da oferta de criptomoedas como meio de pagamento: mais da metade (50,5%) de todos os entrevistados no Brasil disseram ter uma visão positiva das empresas que oferecem serviços de pagamento de criptomoedas e 42,9% acredita que a opção de usar criptomoedas criou uma visão muito favorável do varejista. Apenas 37,1% disseram que a capacidade de uma empresa de processar criptomoedas para pagamentos não afetaria sua percepção da empresa.

Crescimento constante
Já nas constatações de outra pesquisa da CoinsPaid, o uso de criptomoedas como pagamento vem crescendo. Em 2021, o uso do Bitcoin (BTC) como meio de pagamento atingiu US$14,5 bilhões por dia durante períodos de baixa volatilidade e abrangeu todos os tipos de varejo, tanto online quanto lojas físicas, e em diferentes segmentos da indústria.

“As compras em criptomoedas como Bitcoin obviamente aumentam quando seu próprio valor é estável, mas a tendência é clara. Entre dezembro de 2020 e janeiro de 2022, as transações de criptomoedas totalizaram US$1,8 trilhão – o que é uma enorme quantidade para a atividade de varejo e ilustra a importância para as empresas aceitarem pagamentos de moedas digitais”, diz Brunacci.

Prevê-se que o surgimento de ‘stablecoins’ – que são criptomoedas atreladas a moedas fiduciárias ou outros ativos como ouro – acelere ainda mais o aumento do uso de criptomoedas como meio de pagamento. Hoje, os pagamentos com stablecoins para varejistas na blockchain Tron já movimentam em média US$8 bilhões por dia – quase 2,5 vezes os pagamentos globais do PayPal (US$3,1 bilhões).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima