E-commerce: cada vez maior

0
10



Os números do comércio eletrônico no Brasil continuam em ascensão. O setor deve apresentar crescimento de 25%, chegando a um faturamento de R$ 28 bilhões em 2013, de acordo com dados levantados como previsão pela E-bit. A tendência é que o ano apresente um resultado melhor que 2012 em virtude da retomada do crescimento econômico e da aceleração das vendas de dispositivo móveis como tablets e smartphones, na opinião da diretora de negócios da e-bit, Cris Rother.

 

Uma outra explicação para que o setor mantenha o ritmo de crescimento é pela constante entrada da Classe C. Aproximadamente 56% dos novos entrantes pertencem a essa classe, apesar dos atuais sinais de endividamento, o que por outro lado pode acabar freando o consumo. Em Novembro, por exemplo, 59% das pessoas disseram estar endividadas, sendo que e 6,8% declararam que não terão como pagar as dívidas, o que acaba refletido também no e-commerce.

 

No que diz respeito a maior procura por televisores, Cris explica que, em 2010, houve um movimento muito forte na venda de Eletrônicos, especilmente TV´s de LED e tela fina, especialmente estimulados com a Copa do Mundo. “Em 2013, teremos a Copa das Confederações, o que pode antecipar essa renovação dos aparelhos visando a Copa de 2014”, analisa diretora.

 

O comércio eletrônico também não deverá apresentar grandes novidades quanto a entrada de novas empresas no mercado. “Nos últimos dois anos a entrada de novas lojas no setor aconteceu no long tail, ou seja, as pequenas empresas, que hoje representam cerca de 20% do faturamento do setor. Os maiores investimentos ocorridos foram em categorias chamadas de verticais como “moda e acessórios”, “artigos esportivos” e “casa e decoração”. Com o segmento em consolidação e ainda mais competitivo, os grandes varejistas buscarão melhorar a eficiência de suas operações, aumentar a rentabilidade e melhorar da qualidade dos serviços prestados ao consumidor”, opina o diretor geral da e-bit, Pedro Guasti.