O canal para quem respira cliente.

Empresas respiram

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

O primeiro trimestre de 2005 registrou queda de 6,2% no volume de falências decretadas, mostra pesquisa da Serasa. De janeiro a março de 2005, foram decretadas 939 falências, em todo o país, contra 1.001 no mesmo período do ano anterior. De acordo com o levantamento, as falências requeridas apresentaram desempenho semelhante, porém com uma queda ainda maior, de 33,1%. Houve um recuo de 3.449 requerimentos nos primeiros três meses de 2004 para 2.307 falências requeridas em igual período de 2005.
No acumulado do primeiro trimestre do ano, o volume de concordatas requeridas registrou 100 eventos, indicando queda de 31,0%, em relação a igual período do ano anterior que totalizou 145. No caso das concordatas deferidas, foram registrados 67 eventos no acumulado deste ano, ante 107 em igual período de 2004, apresentando diminuição de 37,4%.
No mês de março – Já em março de 2005, verificou-se um pequeno aumento de 1,7% no número de falências decretadas, em relação ao mesmo mês do ano passado. No mês de março do ano corrente foram decretadas 479 falências, contra 471 em igual mês de 2004. O volume de requerimentos de falências caiu 43,3% na relação março deste ano com o mesmo mês de 2004. Foram requeridas no terceiro mês deste ano 830 falências, contra 1.465, em igual mês do ano anterior.
O estudo da Serasa também mostra que o volume de concordatas requeridas em março foram 37 eventos – diminuiu 47,9%, em relação ao mesmo mês de 2004, que apresentou 71 concordatas requeridas. As concordatas deferidas totalizaram 26, em março de 2005, ante 49, no terceiro mês de 2004, indicando uma queda de 46,9%.
Segundo os técnicos da Serasa, a redução do número de falências e concordatas registrada em todo o país é conseqüência da continuidade do crescimento da economia brasileira, que tem contribuído para o aumento das vendas. A realização de novos negócios propiciou a geração de mais recursos e a condição para que as empresas administrem seu orçamento de modo mais equilibrado para realizar o pagamento de seus compromissos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima