Marcas, mostrem sua caras!

0
6



Autor: Maurício Carmagnani

 

Há pouco tempo muitos se perguntavam qual seria o futuro das publicações impressas e o reflexo da Internet e sua virtualidade no curso das histórias dos jornais, revistas e tudo o que se encontrava, até então, no papel. Outros ainda afirmavam que a tecnologia tomaria conta da informação, e que tudo seria veiculado por meio das ondas invisíveis da rede. De forma surpreendente para muitos, eles estavam enganados.

 

Quem frequenta os grandes centros já deve ter percebido o crescimento da circulação de jornais gratuitos pelas ruas e estabelecimentos comerciais. Segundo a Associação Mundial de Jornais (WAN, em inglês), tal aumento é tendência mundial, em franca expansão. De acordo com a WAN, 8% dos jornais do planeta são gratuitos, totalizando uma média de 41 milhões de exemplares de graça, todos os dias, no Brasil e no mundo.

 

A mídia impressa é o mais antigo veículo de comunicação conhecido, originando, inclusive, o nome do coletivo de todos eles: a imprensa. Por ser de fácil utilização e transporte, não possuir horário específico de veiculação e permitir a leitura e releitura de informações, podemos considerar esse tipo de mídia a de maior facilidade na aproximação entre o conteúdo e o leitor. E é isso que move o mercado dos jornais gratuitos, o poder que eles têm de manter as marcas (que patrocinam sua circulação) e os consumidores próximos.

 

Manter-se presente no cotidiano dos indivíduos tem sido a melhor saída para ganhar espaço ou continuar em destaque, em meio a tantas notícias, fofocas, promoções e ofertas. O interessante é que, mesmo com todas as plataformas e possibilidades de anúncios e exposição, o impresso continua sendo uma das mais eficazes. Qual outro veículo permite que o cliente carregue sua marca embaixo do braço, olhe para você no ônibus, na escola, no trabalho e por onde ele for?

 

É claro que o papel perde em inúmeros quesitos para a internet, por exemplo, que possibilita interatividade, tem mais formas de manter a atenção do leitor e não encarece quando usadas cores, entre tantas outras vantagens da web. Anunciar não só nesses jornais, mas em todas as mídias tidas como obsoletas (ou não tão tecnológicas), tornou-se uma ousadia. Mas, como atingir seu público, ainda mais as novas gerações, sedentas por novidades e inovações, sem ousar?

 

Das mais diversas formas, com os mais variados conteúdos, por meio de numerosos veículos, pode-se promover conhecimento e informação, viver lado a lado com o seu cliente. Mas, em um mundo no qual tudo já foi criado, devemos recriar, reinventar a roda, refazer o que já foi feito, de preferência, a partir de novos conceitos e ideias. Os jornais gratuitos são apenas mais uma releitura do que já existia, e são ótimos exemplos para nos lembrar que, seja como e por onde for, para aparecer, é preciso se mostrar. Portanto, ouse, mostre-se e apareça!

 

Maurício Carmagnani é diretor da DRT Mídia.