Telefonia fixa em debate

0
1


A Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) promoveu, ontem (29/09), reunião com as operadoras de telefonia fixa do país. O objetivo foi avaliar as medidas tomadas pelas empresas para a melhoria da qualidade dos serviços prestados aos usuários. Participaram Vésper, Embratel, CTBC Telecom, GVT, Telefônica, Telemar, Intelig, Brasil Telecom e Sercomtel. Também foram representadas as operadoras de telefonia móvel Oi e CTBC Telecom Celular.

O presidente da Agência, Elifas Chaves Gurgel do Amaral, iniciou a reunião com as operadoras do Serviço Telefônico Fixo Comutado (STFC) dizendo que “a meta desses encontros é uma só: que o usuário seja atendido”. Segundo ele, há muito a fazer para alcançar essa meta, e o que o consumidor mais espera é a solução dos problemas. Os representantes das operadoras apresentaram as ações que desenvolvem para melhorar a qualidade, como o investimento em capacitação e pesquisas que avaliam o atendimento do ponto de vista dos clientes.

Entre os meses de março e abril deste ano, Elifas Gurgel reuniu-se com as empresas de telefonia fixa e móvel para alertar sobre a necessidade de se ampliar a qualidade nos serviços. Nesse período, a Anatel implementou ações para incrementar a qualidade dos serviços telefônicos. As principais ações foram intensificar a fiscalização nas lojas e nas centrais de atendimento e incentivar o atendimento personalizado para todos os serviços. Além disso, os números mensais de reclamações da telefonia fixa e da telefonia móvel estão disponíveis no portal www.anatel.gov.br, onde é possível acompanhar a evolução das reclamações feitas à Central de Atendimento da Agência.

A partir das irregularidades encontradas nessas ações de fiscalização, a Anatel instaurou 54 Procedimentos Administrativos por Descumprimento de Obrigação (Pado) relativos à qualidade. A conclusão dos Procedimentos pode levar as prestadoras a sofrer sanções previstas no regulamento que podem ser, por exemplo, advertências e multas. Em 2005, a Anatel já recolheu cerca de R$ 28,48 milhões em multas do STFC, dos quais R$ 27,7 milhões referem-se à qualidade. Entretanto, Elifas Gurgel ressaltou que a intenção da Agência não é multar as empresas, mas ampliar a qualidade dos serviços prestados aos usuários.